Ponto Vermelho
Nostalgias
5 de Março de 2013
Partilhar no Facebook

O Mundo da Bola português obedece a estranhos sortilégios difíceis de entender para o comum dos cidadãos, mas que têm alguma razão de ser por se consubstanciarem em reacções controversas que só existem porque a adrenalina do momento atinge picos elevados que leva aparentemente a mais pacífica das pessoas a ter reacções intempestivas e incontroladas nas quais, fazendo uma retrospectiva à posteriori, não se revê de todo. Mas, numa próxima situação e caso estejam reunidas as mesmas condições, volta de novo a acontecer. Mal comparado, faz-nos lembrar os maridos ébrios que ao chegarem a casa (de madrugada) zurzem as mulheres e quando regressam ao seu estado normal, pedem desculpem e juram a pés juntos que não volta a acontecer. Até à próxima oportunidade…

Vem isto a propósito do que foi noticiado sobre alguns mosquitos por cordas que terão acontecido na Tribuna de Honra do Estádio de Alvalade no passado sábado à noite no decorrer do clássico Sporting-FC Porto. Damos connosco por vezes a imaginar o que sofrerão os dirigentes dos clubes em cada jogo em que ocupam lugares de proximidade na tribuna presidencial como mandam as regras do desportivismo e do bom relacionamento entre clubes sem poderem exprimir as suas emoções. Neste particular é sabido que isso não acontece com os dirigentes do Benfica que por norma estão orgulhosamente sós, sendo que o presidente portista desde que deixou de se sentar no banco dos suplentes passou a ocupar o lugar que lhe está destinado ao lado do presidente do Sporting em exercício quer no Dragão quer em Alvalade.

Como é da praxe, não vão os dirigentes e os adeptos do clube anfitrião ficar melindrados, também o Presidente e os dirigentes visitantes se a sua equipa marcar um golo são forçados a morder os lábios ou a espetar as unhas na palmas das mãos para não darem largas às sua alegria. Por sua vez o clube da casa replica na mesma moeda. Como deve ser complicado tentar manter uma postura serena e pretensamente tranquila durante a hora e meia de cada jogo! Deve ser quase tão difícil como Miguel Sousa Tavares ter de abster-se de fumar sempre que viaja de avião. Mas com treino consegue-se!

É evidente que isto é a regra geral porque nem sempre é assim. Vários episódios relatados sobre a Tribuna das Antas e agora do Dragão e porventura noutros locais, dão conta que as regras da boa educação são desrespeitadas amiúde para com dirigentes dos clubes adversários que não caiam nas boas graças azuis e brancas (mesmo que não se encontrem na tribuna presidencial) com a utilização do vernáculo como pedra de toque para insultos que, segundo decretou o Querido Líder significam na sua gíria termos carinhosos. Pelos vistos a língua portuguesa sofre metamorfoses em alguns locais que o fabuloso (des)acordo ortográfico não conseguiu eliminar…

Mas de volta a Alvalade e segundo o noticiado nos media, um ex-dirigente do Sporting não terá respeitado a lei da discrição. Com efeito, com base em alegados erros de arbitragem que estariam a acontecer em prejuízo da equipa leonina não se conteve e fez alusões a um passado que todos conhecemos, que dão o presidente portista como um dos principais manipuladores da arbitragem em proveito do seu clube. Tanto bastou para que houvesse uma reacção enérgica do visado o que deu origem a que mais dirigentes tivessem entrado na discussão acalorada e que ia descambando em confronto físico que acabou, felizmente, por não se verificar.

Face aos sintomas de crispação que a sociedade e em particular o futebol têm vindo a demonstrar, estes casos, não sendo apesar de tudo normais, poderão sempre acontecer sem que isso possa constituir grande alarido. Para além dos factos em si, o que causou surpresa e o consequente empolamento foi um ex-dirigente ter assumido naquele momento e no local onde se encontrava, uma posição que o seu clube deveria ter despoletado há muito tempo atrás de uma forma oficial. Os factos estão aí para o demonstrar e tudo o que tem sido dito ao longo dos tempos parece ter caído em saco roto das sucessivas Direcções leoninas que têm feito tábua rasa das evidências que, época após época têm desfilado perante os seus olhos e dos respectivos adeptos. Mas a ocorrência também prova que nem todos alinham pelo mesmo diapasão.

No próximo dia 23 saber-se-á quem é o novo timoneiro de Alvalade. É bom que ele e a sua equipa se capacitem desde logo que apesar da situação periclitante que o Sporting atravessa actualmente, uma das linhas força terá que ser forçosamente a de abandonar a subserviência que na última década o clube tem vindo a registar em relação ao FC Porto com as consequências gravosas de todos conhecidas que o têm empurrado para sítios impensáveis na sua gestão desportiva. Se continuarem a ignorar todas as lições que o passar dos tempos tem demonstrado serem altamente prejudiciais, então será muito difícil retomar o trilho do sucesso lutando pelas vitórias que o seu passado histórico insistentemente reclama.






Bookmark and Share