Ponto Vermelho
Ponderação
14 de Abril de 2013
Partilhar no Facebook

Não sendo nunca demais afirmar que o Benfica nada ganhou esta época (e estamos a falar única e simplesmente de títulos), o que é facto é que o percurso da principal equipa de futebol até aqui é de molde a poder considerar que os encarnados estão na antecâmara de poderem vir a conseguir uma das melhores épocas de sempre. E se olharmos para as últimas décadas, então a diferença é de facto muito significativa. Mas pelas razões aleatórias que são conhecidas de todos, manda a razão e o bom senso considerar que a prudência e a rejeição de qualquer tipo de euforia deverão prevalecer sobre tudo o resto.

Tal não deve significar menos convicção e optimismo para que os objectivos que se perfilam no horizonte como alcançáveis não deixem de ser perseguidos. Mas tendo em conta a experiência transportada do passado, será sempre preferível constatar a realidade dos factos e afirmar que vencemos, do que embandeirar em arco com vitórias que estão à beira de acontecer mas que ainda por esta ou aquela razão acabaram, à última da hora por não acontecer. Em diversas ocasiões, tivemos exemplos do quase mas que acabaram por não se concretizar, contrariando evidências quase irrefutáveis. É por isso que se dispensam mais comentários sobre estados de euforia que rapidamente se podem transformar em pesadelos. E os benfiquistas não merecem isso.

Para todos os que adoram referir estatísticas, a passada 5ª Feira constituiu mais um marco na secular história do Benfica. Pela primeira vez a equipa passou a barreira dos quartos de final de uma prova europeia tendo como o opositor uma equipa inglesa. Estas situações valem o que valem porque o fundamental foi termos ultrapassado a eliminatória. Não vale mais ou menos do que se fosse uma equipa de outro país qualquer. Mas, a despeito de termos demonstrado nos dois jogos que éramos de facto de uma equipa superior ao Newcastle, as incidências do jogo mau grado tudo isso, poder-nos-iam ter conduzido a um outro desfecho. É por isso que devemos ser sempre prudentes na abordagem aos jogos mesmo que à partida estejamos convencidos de que somos de facto melhores.

Tem sido realçado com toda a justiça que os êxitos que têm sido conseguidos até aqui resultam, para além dos méritos que deverão ser atribuídos em primeiro lugar aos jogadores, à equipa técnica e à estrutura, aos incansáveis adeptos que não têm regateado o seu apoio sobretudo nos momentos mais complicados, mesmo com imensos sacrifícios que derivam da conjuntura difícil em que vivemos e para um futuro incerto para onde nos têm conduzido, apregoando objectivos que não são rigorosamente os nossos. Sabemos isso e apesar de tudo temos dito sempre presente, uma evidência que se tem traduzido nas assistências que em qualquer campo do país ou no estrangeiro têm demonstrado o seu inequívoco apoio, o que até tem sido motivo de surpresa para quase toda a estrutura e para os clubes que visitamos.

No apoio transmitido em todos os palcos, têm-se evidenciado os No Name pela exuberância que têm transmitido. Pena que, em contraponto, uma escassa minoria irresponsável tenha acabado por diluir a vontade e anular o esforço de todos os outros. Porque face aos exageros que se têm traduzido no lançamento de petardos, o que fica são as multas sistemáticas no capítulo interno que já atingiram a centena de milhares de euros no plano interno, e o levantamento de um inquérito pela UEFA que pode vir a afectar o clube através de medidas muito gravosas que venham a prejudicar o Benfica e a esmagadora maioria dos associados por atitudes que lhe passam completamente ao lado. Os apelos constantes e a reprovação largamente maioritária dos adeptos não têm produzidos grandes efeitos nas provas nacionais, ainda que internacionalmente, depois da recorrência de Leverkusen, tenha havido abstinência desses desmandos incompreensíveis.

Como estamos numa fase crucial, voltamos a apelar ao bom senso dessa meia-dúzia que para eventualmente satisfazer egos próprios, persiste em querer prejudicar o clube e os outros adeptos. Ninguém percebe a razão porque depois de tantos pedidos, se continue a assistir à mesmíssima coisa de sempre e que transmite uma imagem absolutamente desfocada daquilo que é enorme história do clube e os seus adeptos e simpatizantes que sempre se pautaram pela tolerância. e por respeitar os outros. Mesmo que deles se discorde, o que é no fundo normal num universo tão alargado e com tão diferentes sensibilidades.

No regresso da equipa de Newcastle tivemos de novo episódios reprováveis e que certamente não beneficiaram o clube. Muito embora a história dos acontecimentos registados varie em função dos interesses de cada um e em que a polícia revela cada vez mais, estranhamente, incapacidade para lidar com este tipo de situações, a realidade é que a estória que passou para a opinião pública foi a de que, sem qualquer justificação, adeptos do Benfica provocaram distúrbios no aeroporto, provocando tudo e todos. A verdadeira história, como é hábito, nunca chegará a ser contada. A despeito de terem mais, menos ou nenhumas culpas, será que não pensam que estas situações só prejudicam o clube?






Bookmark and Share