Ponto Vermelho
Marítimo-Benfica
29 de Abril de 2013
Partilhar no Facebook

Liga Zon-Sagres - Época 2012/2013 - 27ª jornada
Estádio dos Barreiros, 29 de Abril de 2013 - 20h00

Árbitro Principal: Manuel Mota - AF Braga
Árbitros Assistentes: Bruno Trindade e Paulo Vieira
4º Árbitro: Pedro Ferreira

Benfica (Titulares): Artur, Maxi Pereira, Luisão (cap.), Garay, André Almeida, Matic, Enzo Pérez, Ola John (Cardozo 60m), Salvio, Lima (Roderick 90m) e Rodrigo (Carlos Martins 75m)
Benfica (Suplentes): Paulo Lopes, Jardel, Aimar, Roderick, Carlos Martins, Urreta e Cardozo

Cartões Amarelos: 3: Garay 44m, Luisão 67m e Cardozo 90+2m
Cartões Vermelhos: 0

Resultado final: 1-2. 0-1 Lima 5m (pen), 1-1 Igor Rossi 42m e 1-2 Igor Rossi (pb) 72m

Considerado por alguns como o jogo do ano, o Marítimo-Benfica tinha tudo para ser uma partida de futebol competitiva. O Benfica sabia que se ganhasse rasgava horizontes quase decisivos rumo ao título e os madeirenses para manterem bem vivo o acesso à Liga Europa.

O ruído que se fez ouvir em torno da arbitragem durante toda a semana na tentativa de condicionar a arbitragem do juíz bracarense preocupava alguns benfiquistas, mas a convicção maioritária era a de que a estrutura tinha que concentrar-se única e simplesmente no seu trabalho dentro de campo, provando que eram melhores e que estavam ali para ganhar.

E de facto o Benfica não poderia ter começado melhor, pois logo aos 4m depois de ter sofrido um canto, desenvolveu um ataque com a bola a ir parar a Lima que sofreu falta do central Márcio Rosário. Penalty que o próprio Lima transformou com um remate colocado para a esquerda de Salin que se atirou para o lado contrário.

O Marítimo reagiu de pronto e o Benfica recuou dando a iniciativa ao adversário que não se fez rogado. Tanto assim que aos 7m Matic cometeu uma falta perigosa à entrada da área em posição central e Márcio Rosário encarregue da marcação do livre rematou colocado e a bola foi beijar o poste direito da baliza de Artur. Sorte para o Benfica.

O jogo prosseguia com o Marítimo com mais posse de bola e aos 11’ num remate à entrada da área do Benfica, Matic foi atingido com uma bolada na cara tendo ficado lesionado, mas depois de assistido prosseguiu o jogo sem problemas de maior.

Aos 22m ataque do Benfica pelo lado esquerdo com corte da defesa madeirense para canto. Na marcação, Rodrigo atirou de cabeça muito por alto. Novo canto a favor do Benfica aos 24m sem qualquer perigo.

O Marítimo continuava por cima à procura do empate e aos 31m na marcação de um canto, Igor Rossi rematava de cabeça para defesa segura de Artur. Depois de aos 35m o Benfica ter ganho mais um canto, contra-ataque rápido conduzido por Sami com Maxi Pereira a ir ao lado esquerdo cometer falta sobre o mesmo Sami. Do livre lateral nada resultou com a defesa encarnada a aliviar.

Aos 40m de novo Sami em destaque a conduzir um rápido contra-ataque com perigo, valendo a intervenção de Maxi a ceder canto. No minuto seguinte de novo o Marítimo a criar perigo com bom corte de Salvio que cedeu novo canto. Os madeirenses continuavam por esta altura a ser melhor equipa do que o Benfica estranhamente apático.

No minuto 42 acontecia o golo do Marítimo que já se justificava. Cruzamento do lado direito por alto, a bola a sobrevoar a defesa encarnada e Igor Rossi de cabeça a marcar. Embora não tenha sido esclarecedor, pareceu-nos ter havido bloqueio a Maxi Pereira que terá sido impedido de se fazer ao lance.

Ainda antes do árbitro apitar para o intervalo, aos 44m, 1º cartão amarelo para jogadores do Benfica; numa disputa de bola à entrada da área, o árbitro considerou faltosa a acção de Garay e admoestou-o com a cartolina amarela. Logo de seguida terminaria a 1º parte com resultado justo, embora com maior pendor ofensivo do Marítimo bem patente na posse de bola – 57%-43%.

Com um resultado que não agradava aos encarnados, aguardava-se um regresso diferente para melhor. E foi precisamente isso que aconteceu pois o Benfica para além de começar bem, desde logo demonstrou boa dinâmica, mais velocidade e maior agressividade.

Fruto disso, aos 50m bom lance de ataque do Benfica com Lima a ceder a bola a Rodrigo que em boa posição do lado esquerdo rematava com a bola a passar rasteira junto ao poste esquerdo da baliza de Salin. Era desde logo a melhor oportunidade da 2ª parte e o jogo prometia tendo em conta que o resultado não satisfazia qualquer das equipas.

Aos 53m novo lance de muito perigo junto à baliza do Marítimo. Matic trabalha bem a bola do lado esquerdo e junto à linha cruzou atrasado para Lima que de primeira disparou com o pé esquerdo indo a bola bater no poste junto à barra de Salin. Sorte desta vez para os madeirenses. Aos 55m nova bola no poste madeirense. Outra vez Lima a acertar no ferro. Mais um momento de sorte para o Marítimo.

Altura para a 1ª substituição do lado encarnado com Óscar Cardozo a entrar para o lugar de Ola John. Enzo Pérez tentava um remate em jeito aos 67m que foi facilmente defendido pelo guarda-redes maritimista. Na resposta, ataque do Marítimo pelo lado esquerdo e Luisão a cometer falta sobre Artur que o árbitro considerou para amarelo. Era o 2º para jogadores encarnados.

Mas aos 72m o Benfica chegava à vantagem. Jogada de Eduardo Salvio pelo lado direito e já na pequena área centrou atrasado, a bola bateu em Igor Rossi e foi entrar no lado contrário da baliza de Salin. O Benfica, por esta altura, já justificava a vantagem porque, ao contrário da 1ª parte, estava a ser melhor equipa com várias oportunidades desperdiçadas.

Em vantagem, aos 76m, Jorge Jesus aproveitava para reforçar o meio-campo com a entrada de Carlos Martins para o lugar de Rodrigo. No minuto seguinte jogada de Cardozo dentro da área, um defesa do Marítimo consegue tocar na bola mas toca no pé do jogador paraguaio que caiu. Penalty por marcar que o árbitro mandou seguir.

O Marítimo tentava agora os lançamentos longos mas a defesa do Benfica bem posicionada ia anulando o perigo. Aos 90+1m nova jogada de Cardozo a flectir dentro da área para a zona central em disputa com um defesa maritimista, acabou por cair, mas desta vez bem o árbitro em mandar seguir, excepto na admoestação a Cardozo que não simulou qualquer falta.

O jogo terminava a seguir com uma vitória difícil mas justa dos encarnados que comemoraram efusivamente o triunfo que os aproxima mais do título.

Na zona de entrevistas rápidas, Lima afirmava que a equipa está muito unida e que o importante é estar lá e ajudar a equipa, considerando que este era um dos jogos decisivos pois já sabiam que seria muito difícil e que estavam preparados para sofrer. Por sua vez Jorge Jesus referiu que o Marítimo em casa é uma equipa difícil de bater, com um ponta de lança que segura bem a bola para permitir que a equipa suba. Referiu ainda que a equipa depois de marcar ficou ansiosa, mas na 2ª parte entraram com uma atitude à campeão e que a vitória tinha sido justa.


Comentário Final: Mais um obstáculo ultrapassado e que como se esperava não foi nada fácil. Com o Benfica a conseguir marcar logo aos 5’ e fazendo o mais difícil, esperava-se um jogo diferente. Mas tal não sucedeu porque os encarnados cederam a iniciativa ao adversário que começou a dominar o jogo e ameaçando o empate que haveria de chegar quando faltavam 3 minutos para o fim da 1ª parte. Os jogadores do Benfica tinham-se revelado estranhamente ansiosos, algo apáticos e a permitir o domínio do Marítimo que chegou justamente à igualdade.

Com o encontro empatado, esperava-se um Benfica diferente para melhor na etapa complementar. E de facto isso aconteceu com os encarnados melhor em todos os aspectos e a construir várias oportunidades mas, ironia do destino, acabaria por chegar à vitória com um auto-golo de Igor Rossi. A partir daí o Benfica tentou controlar o jogo sem deixar de atacar e manteve incólume as suas redes até final.

Exibição frouxa na 1ª parte e muitos furos acima na 2ª que acabou por justificar a vitória num encontro tido como decisivo na caminhada para o título. Lima esteve em evidência por aquilo que trabalhou ao longo dos 90m, mas Matic como de costume também se destacou e Salvio muito bem a defender quando a equipa precisava, acabou por estar ligado ao golo da vitória.

Arbitragem sem grande margem para reparos de Manuel Mota, ainda que no 1º lance de Cardozo tenha havido penalty mas terá entendido que o defesa só cortou a bola e no 2º, bem a deixar seguir mas mal na amostragem do cartão amarelo. De resto pequenos erros sem grande significado.














Bookmark and Share