Ponto Vermelho
Etapa final…
9 de Agosto de 2013
Partilhar no Facebook

Situações várias têm dado origem a um certo desconforto por parte dos adeptos benfiquistas… e não só! Longe vão os tempos em que por esta altura da temporada as equipas já estavam inteiramente definidas e as estruturas e os adeptos sabiam com o que poderiam contar. Os novos tempos são férteis em instabilidade seja qual for o ponto de vista por que observemos o que quer que seja, numa pressa de viver mais no mesmo horizonte temporal, em acelerações contínuas que por vezes nos deixam de todo siderados.

Atento a isso o nosso (des)governo insatisfeito com o facto de os portugueses terem na sua esmagadora maioria reformas chorudas, prepara-se para reduzir as mesmas e aumentar a idade das ditas. Resta apenas saber se para os que virão atrás e que terão que fechar a porta, ainda poderão contar com algo, depois dos constantes roubos legais e sistemáticos que a cada dia que passa tornam os portugueses ainda mais pobres e obrigam os cidadãos reformados a terem que voltar a imigrar dentro do seu próprio País e a viverem os seus últimos tempos de vida terrena em constante sobressalto. Tudo, claro está A Bem da Nação ou melhor, a bem de alguém…

Esse constante suplício a que estão afinal sujeitas todas as gerações reflecte-se no dia a dia do desporto e por maioria de razão no Futebol. As constantes invectivas e as acções inexplicáveis como as que aconteceram no Porto com um simples jogo de futebol sem contar para coisa nenhuma e entre dois clubes amigos como são o FC Porto e o Celta de Vigo, definem que as massas ululantes encaram estas manifestações públicas para tentar demonstrar que se encontram em território demarcado e que lá mandam elas, como que a preparar o terreno para o que aí vem… Nalguns locais esse é o conceito de democracia que existe, e as autoridades parecem fazer questão de não contrariar esse princípio permitindo as amplas liberdades referidas.

Entretanto, o rocambolesco assalto à Federação Portuguesa de Futebol para a recolha de material informático seleccionado, a despeito das abundantes provas recolhidas e de já terem decorrido mais de 6 (seis!) meses continua sem novidades o que, pelo andar da carruagem indicia um caso tipicamente português à espera que a memória dos homens deixe de registar essa pequena incidência sem expressão… Depois dos atropelos que a imprensa vai registando diariamente nos mais variados sectores, como esperar neste caso um comportamento diferente? Afinal estamos em Portugal…

E estando, a nossa capacidade de admiração e os efeitos-surpresa vão-se esgotando paulatinamente até atingirem patamares ínfimos. Daí que não nos cause a mínima estranheza que alguém confunda a Supertaça Cândido de Oliveira com um torneio de Golfe, num novo assomo de grossa ironia que se esgota no tradicional bacoquismo lá para os lados das Antas. Ficamos pois com curiosidade de saber se, no caso do FC Porto vencer o troféu, o Querido Líder oferecerá generosamente a Taça ao presidente da Federação Portuguesa de Golfe – Manuel Agrellos – para que este a albergue no museu da futura Cidade do Ténis… É que esta será no Jamor, no concelho de Oeiras…

Enquanto decorrem estes habituais fait-divers de Verão que animam um pouco a fase depauperada em que se encontram os portugueses, prossegue a contagem decrescente para o início do futebol a sério, dado que por todo o lado ouvimos lamentações por ser demasiado longo o tempo do futebol a feijões. Que mau grado ser de experiências e planificação baseadas em incertezas por força dos treinadores viverem sem saber o que o futuro próximo lhes reserva quanto à composição definitiva dos respectivos plantéis, dá para extrair algumas conclusões consoante o objectivo que existe na mente de cada um.

O Benfica realiza hoje no sul de Itália o último jogo de preparação com o Nápoles naquele que em teoria, será o teste mais complicado de todos os que fez na pré-época. Dois problemas nucleares preocupam os adeptos benfiquistas: a demasiada permeabilidade defensiva consubstanciada nos vários golos sofridos até agora, e na concretização ofensiva apesar de apenas no último jogo ter ficado em branco. Será apenas e só mais um jogo sem valer pontos, mas iniciando-se o campeonato já no outro fim de semana e ainda por cima com uma deslocação difícil à Madeira, aguardam todos os adeptos que esses receios e essas preocupações se reduzam à mais simples expressão. Tem a palavra a equipa!






Bookmark and Share