Ponto Vermelho
O estado do Mundo e o futebol
30 de Outubro de 2013
Partilhar no Facebook

1. A cada dia que passa vão sucedendo casos que poderão ser considerados de surpreendentes para alguns mas que afinal não passam de situações normais e corriqueiras no Mundo de hoje dada a sua natureza transversal nas sociedades contemporâneas. Seja qual for o sector que estiver envolvido até porque muitos dos protagonistas aproveitam o mediatismo ocasional para projectarem a sua vida profissional futura que lhes garanta um futuro risonho. Todos nós conhecemos tantos e tantos exemplos que seria fastidioso e redutor estar a referi-los.

2. Isso prova que há muito deixou de existir espírito de missão mas sim desejos de realização pessoal que na esmagadora maioria das vezes colide com os objectivos para que são eleitos. A primeira fase é a sedimentação e a consolidação do poder para o que contam com os prestimosos serviços de ajudantes que não passam de meros serventuários que a troco de um prato de lentilhas se disponibilizam para servir denodadamente a causa. Voltamos a observar abundantes situações em todos os sectores. É só escolher…

3. Embora isso não seja um problema exclusivo nosso, é nítido e patente que a exemplo de quase tudo, Portugal ocupa a cauda da Europa, dada a abundância de escândalos em termos proporcionais com os restantes países. O que nos vale é que somos um país pequeno… Dir-se-á que historicamente foi quase sempre assim. Concedemos. Mas se temos capacidade para reconhecer esse facto evidente, será que não temos ou não queremos ter, capacidade para virar o rumo dos acontecimentos, nós um país que deu inúmeras vezes lições ao Mundo? Recusamo-nos a acreditar.

4. Todos os portugueses que vivem no estrangeiro e todos aqueles que têm tido a possibilidade de conhecer novos mundos e novas culturas e ainda aqueles que acompanham de algum modo a imprensa internacional, sabem por experiência a forma como é retratado o nosso país. É certo que muitas das vezes existe muita manipulação e muito exagero, mas a substância existe e somos nós que a fornecemos. Hoje em dia as notícias, sobretudo se forem negativas, cavalgam muros e fronteiras e estão à mera distância de um clique.

5. É deprimente que tal aconteça mas parece que a enorme capacidade de luta no passado e que tanto expandiu Portugal, foi substituída por uma enorme resignação e subserviência no presente em que tudo aceitamos sem a mínima contestação, traíndo o espírito rebelde e afirmativo dos nossos antepassados e o povo que somos todos nós. Os responsáveis, apelidam as traições de inevitabilidades e continuam sem um mínimo de personalidade de mão estendida a mendigar, mesmo que isso signifique novos sacrifícios para os velhos e eternos sacrificados. E, como se isso não bastasse, fazem-no com aquela arrogância própria dos fracos, eles que só sabem dobrar a cerviz perante os mais poderosos.

6. Correram mundo os deploráveis incidentes ocorridos no Dragão. E como seria expectável, multiplicaram-se os comentários pouco abonatórios. Ninguém com dois dedos de testa consegue enxergar que um grupo radical que existe há 10 anos e claramente identificado pelas autoridades, possa, com a maior das tranquilidades, chegar onde chegou e provocar os distúrbios que provocou. Mas afinal onde anda a polícia, as autoridades judiciais e a Tutela? À espera que nada aconteça depois de todos os incidentes do passado recente em que foi chamada repetidamente a atenção para eventuais reflexos futuros com ainda maiores proporções?

7. Mas a capacidade que o Futebol português tem para gerar novos factos e novas situações é, realmente, inesgotável. Ainda que desta vez tenha sido de forma indirecta. Mas do nosso ponto de vista, se alguma surpresa causou, foi apenas o ridículo desempenho artístico do ex-coronel Blatter, sobretudo porque escolheu o pior sítio para o fazer. Já todos tínhamos percebido que os óscares do futebol constituem um gigantesco corropio de interesses e que os responsáveis não olham a meios para prosseguir a sua política autocrática e corruptiva e assim continuarem no poder tal como fez Havelange. Foi isso que Mourinho há muito percebera e que Cristiano Ronaldo foi também forçado a entender. O futebol e o povo português foram humilhados e isso obrigaria a uma reacção enérgica a todos os níveis. Cristiano Ronaldo já deu a melhor das respostas e estamos convictos que saberá estar à altura da provocação. Aparte a opinião que dele tenhamos, saibamos reagir enquanto portugueses!






Bookmark and Share