Ponto Vermelho
A chapada de Roberto
6 de Novembro de 2014
Partilhar no Facebook

1. Interessante a forma como alguns dos velhos críticos de Roberto que lhe enfernizaram a vida enquanto esteve no Benfica pegando o mal a alguns dos adeptos encarnados mais sugestionáveis, se afadigaram a tentar justificar a exibição do guarda-redes espanhol no jogo de ontem em Atenas em que numa noite inspiradíssima, Roberto conseguiu impedir não só a goleada do Benfica como até permitiu ao Olympiacos vencer o jogo e dar um passo importantíssimo rumo aos oitavos de final

2. Incapazes de reconhecer as suas incapacidades e dar a mão à palmatória, alguns plumitivos e aqueles que absorveram as doses maciças da sua estratégia de tentar destruir o profissional e muito pior do que isso o ser humano, optaram por atribuir as culpas aos jogadores encarnados que terão tido todas as chances mas foram esbanjadores e não conseguiram concretizar. Roberto esteve bem, reconhecem, mas o problema foram os jogadores do Benfica que não o conseguiram desfeitear. Efeitos e sintomas de lerem muito as redes sociais para se inspirarem…

3. Uma leitura apressada do que sucedeu ontem no Estádio G. Karaiskakis conduzir-nos-ia, de facto, à conclusão de que uma equipa que dispõe de 7 ou 8 oportunidades flagrantes de golo e não consegue aproveitar nenhuma, teria sido acentuadamente perdulária. Apenas em parte isso é verdade. Do nosso ponto de vista, de todas as situações flagrantes não concretizadas apenas duas se poderão considerar verdadeiramente falhadas. Todas as outras foram superiormente defendidas pelo guarda-redes do Olympiacos. Não há volta a dar.

4. De facto, há um conceito enraízado em muita gente do futebol e sobretudo nos chamados críticos que mesmo relevando as actuações dos guarda-redes não conseguem atribuir-lhes a totalidade do mérito. É por isso que se lê e se ouvem pessoas a referirem amiúde que nos lances em que o golo está eminente e o guarda-redes consegue defender o remate, o avançado perdeu uma soberana oportunidade de marcar.

5. Em muitos casos há efectivamente falhas dos rematadores, mas noutros temos que conceder que é mérito exclusivo dos guardiões. Ainda ontem o experiente treinador Manuel José alertava para esse facto a propósito dos lances de penalty em que é sempre o marcador a falhar e nunca o guarda-redes a defender. Por uma questão de rigor e de verdade convinha separar as situações para não se laborarem equívocos. Mas ontem está tudo muito bem explicado – tratava-se de Roberto…

6. Seguindo o raciocício no jogo de ontem, vamos referir as duas oportunidades que em nossa opinião foram falhadas: a primeira na etapa inicial por Matic e a segunda na etapa complementar por Sílvio. No primeiro caso existe a atenuante por o jogador ser canhoto e ter tentado o toque com o calcanhar contrário. Mas na perspectiva de um dos plumitivos do diário da verdade a que temos direito que desde o início encabeçou a campanha contra Roberto para atingir outros fins mais latos, o jogador sérvio tentou concretizar como se estivesse a brincar na praia… Como se observa uma crítica à altura e dimensão do seu autor…

7. No segundo, talvez algum desgaste tenha estado por detrás no momento do remate visto que, daquela posição, os remates rasteiros dão sempre mais hipóteses de defesa aos guarda-redes. Para ilustrar esta tese ainda ontem no Juventus-Real Madrid, Ronaldo marcou o primeiro golo do Real daquela posição justamente porque não rematou rasteiro. Resta apenas acrescentar que na baliza da vecchia signora não estava Roberto mas sim um tal Buffon…

8. Aparte estas divagações e para além de ter que dar o mérito a quem o tem – Roberto –, há que realçar o estupendo desempenho que o Benfica conseguiu ao longo de toda a partida naquilo que foi sem dúvida a exibição mais conseguida da época. Mas curiosamente, no melhor jogo realizado a equipa encarnada soçobrou e a partir de agora o sonho está praticamente esfumado pois só uma conjugação de resultados fora do normal lhe daria o apuramento. Os jogadores deram tudo o que podiam e mereciam indiscutivelmente a vitória dado que no conjunto dos dois jogos o Benfica provou ser claramente superior ao Olympiacos. Pena a irreconhecível 1.ª parte de Lisboa. Mas isso já foi ontem e outra conjugação estranha de resultados pode fazer perigar o outro objectivo. Cremos que depois do que se viu ontem e a manter-se, isso nem sequer estará em causa!




Bookmark and Share