Ponto Vermelho
Promessas eleitorais
13 de Dezembro de 2013
Partilhar no Facebook

1. Um dos temas do momento a atrair as atenções da opinião pública desportiva e em particular a mais directamente ligada ao Sporting, é o anúncio de que irá finalmente arrancar logo no princípio de Janeiro a auditoria externa à gestão do Sporting nos últimos mandatos. Como se trata de analisar um período alargado de 18 anos que abrange a gestão de nada mais nada menos do que 6 presidentes leoninos desde Pedro Santana Lopes a Luís Godinho Lopes, o tempo estimado aponta para cerca de 13 meses, sendo o custo envolvido de aproximadamente 320 mil euros.

2. Este tema que foi abordado pelo actual presidente leonino durante a campanha eleitoral e constituiu-se mesmo em promessa, não parece ter sido levado muito a sério por uma parte da família sportinguista que a interpretou como mais um fait-divers em tempo de campanha eleitoral. No entanto, sabe-se como alguns argumentos sugestivos poderão transformar-se em trunfos importantes e quiçá decisivos na altura dos sócios expressarem a sua escolha nas urnas. Porque como se sabe, em qualquer que seja o clube, a esmagadora maioria da massa adepta está muito mais virada para tudo o que esteja relacionado com a equipa de futebol e tende a relegar para plano secundário tudo o resto.

3. Bruno de Carvalho está, pelos vistos, empenhado em cumprir o prometido o que em si deverá ser encarado como um facto normalíssimo de gestão, muito embora, apostássemos em como uma grande parte dos adeptos leoninos focada na excelente prestação da equipa de futebol já se tinha esquecido por completo dessa intenção. Quando estão a aparecer resultados do trabalho que Carvalho está a desenvolver na recuperação do Sporting, foi considerada a altura propícia para dar execução à medida que terá seguramente garantido o apoio de uma significativa maioria. Como é natural, não recolherá a concordância de todos por um conjunto de razões e não apenas por aquela que se configura como a mais óbvia.

4. Como também é normal nestas circunstâncias, haverão alguns a interrogarem-se sobre se se justifica o dispêndio de mais de trezentos mil euros num clube que luta com graves dificuldades financeiras e a necessitar de reforços numa conjuntura desfavorável. Outros entenderão que os resultados, sejam eles quais forem, irão servir não para unir a família sportinguista mas para criar mais confusão e mais atritos. Mas depois de tantas insinuações públicas sem que todavia fossem concretizadas e que acabaram por criar dúvidas e mau estar, afigura-se-nos do outro lado que se justificava uma acção deste tipo que acabe de vez por justificar ou não actos e clarificar situações. Porque os sportinguistas depois de tudo o que têm passado, merecem saber a verdade seja ela qual for, e acabar de vez com as dúvidas que perpassam pelas suas mentes.

5. É evidente que quando se fala em auditoria, uma parte das pessoas atribui-lhe de imediato um sentido que ela intrinsecamente não tem. Bruno de Carvalho deu voz a várias dúvidas e fez insinuações que foram tidas como fazendo parte dos exageros e do folclore que integra qualquer campanha eleitoral. E agora nas considerações que teceu dando conta do avanço da iniciativa, ainda que muito mais comedido, voltou a admitir e antecipar cenários que não são mais nem menos do que uma mera projecção pública da sua convicção. A nosso ver de forma algo precipitada dado que enquanto Presidente deverá manter o maior recato e esperar pelos resultados finais da auditoria para se pronunciar. E, caso se venham a apurar casos graves como chegou a admitir, serão os tribunais em última instância a darem o veredicto final. Mas até lá o silêncio deverá ser rei.

6. Se durante os 13 meses que a empresa de auditoria externa prevê para completar os seus trabalhos nada transpirar para o exterior e a mesma decorrer sob o signo da completa normalidade, não há qualquer razão para que os pessimistas do universo verde e branco augurem focos de instabilidade que inclusivamente se poderão propagar à equipa de futebol, a menina dos olhos de todos os sportinguistas neste momento. Porque numa altura em que têm projectado pela primeira vez desde há muitos anos a esta parte um Natal Feliz, nada deve ensombrar a felicidade do momento. O difícil será mesmo manter o secretismo em mais de um ano de trabalho. E, se por qualquer razão vier alguma coisa a transpirar, aí sim poderá haver alguma agitação porque já se sabe como este tipo de situações é tratado na praça pública…








Bookmark and Share