Ponto Vermelho
Teremos confirmação?
27 de Fevereiro de 2014
Partilhar no Facebook

1. No primeiro jogo a eliminar para a Liga Europa o Benfica conseguiu um resultado positivo em Salónica através de uma exibição que sem deslumbrar, deu para perceber o pragmatismo que parece fazer parte da nova cartilha dos encarnados nesta última fase da temporada onde afinal tudo se vai decidir no plano interno e externo, sendo que como várias vezes tem sido repetido pelos responsáveis do clube, a prioridade das prioridades continua a ser o campeonato onde aliás estão bem lançados. Isto sem descurar outras possibilidades que se possam abrir num vasto mundo de oportunidades…

2. Não foi sem alguma apreensão que observámos a constituição da equipa inicial contra o PAOK. De facto, entrar com 7 jogadores que neste momento não são titulares mesmo perante uma equipa que não pertence à nata europeia, era de molde a causar algumas interrogações. Pelo menos no nosso espírito de leigos. Porque a equipa grega ocupa actualmente a 2.ª posição no campeonato grego, dispõe de vários jogadores internacionais no seu plantel e era apoiado por um público entusiasta e ruidoso que costuma exercer uma forte pressão sobre as equipas visitantes. E embora o Benfica disponha de sólida experiência internacional e esteja habituado a esse tipo de ambientes, a constituição da equipa com a integração de tantos novos jogadores poderia de algum modo constituir um handicap em virtude da eventual falta de rotinas entre eles.

3. De forma peremptória a equipa escolhida por Jorge Jesus protagonizou uma exibição muito agradável e o resultado obtido demonstrou-nos que nenhuma razão havia para que tivéssemos quaisquer tipo de receios. Com personalidade e arreganho a nova equipa soube interpretar bem a estratégia definida para o jogo e a consistência e entreajuda de que deu provas, provou que neste momento todos os jogadores que constituem o plantel estão em condições de oferecer garantias ao treinador e poder entrar a qualquer momento na equipa sem quebras de rendimento acentuadas ou grandes oscilações o que, nos tempos que correm, é muito importante dada a sequência de ciclos terríveis e desgastantes que a equipa encarnada terá que atravessar. Mérito portanto de todo o grupo de trabalho.

4. Atingido o ponto de equilíbrio há muito reclamado, espera-se agora que assim continue, focados nos objectivos previamente traçados mas sem descurar a teoria que poderá parecer rebuscada e quiçá repetitiva do jogo a jogo mas que é uma realidade incontornável. Pensar no futuro ainda que a curto prazo descurando o presente pode vir a constituir-se num erro decisivo, se pensarmos que já temos essa experiência negativa que acabou por se revelar de difícil digestão. Justamente por isso estamos convictos que os erros foram assimilados e que não voltarão a repetir-se, sendo que todos os indicadores até ao momento apontam para que esse assunto esteja definitivamente ultrapassado.

5. Nessas circunstâncias o próximo jogo a disputar é sempre o mais importante. Jorge Jesus não deixará de fazer a gestão adequada às circunstâncias, até porque já no Domingo teremos um importante compromisso integrado na 21.ª jornada do campeonato com uma difícil deslocação a um reduto onde por norma encontramos dificuldades. Aliás, é bom recordar que na 1.ª volta no Estádio da Luz o Belenenses conseguiu um empate inesperado, o que revela que os azuis estão sempre dispostos a complicarem-nos a vida…

6. Para o jogo de hoje não se espera outra coisa que não seja a confirmação do resultado de Salónica. Sem demasiado optimismo mas com a consciência plena de que a equipa do Benfica é superior à do PAOK, confiamos que os jogadores escolhidos saberão dar uma resposta cabal às dificuldades que os gregos não deixarão de tentar colocar. A simples lembrança de 1999 onde a vitória dos encarnados no seu estádio não inibiu os gregos de virem vencer à Luz pelo mesmo resultado, é um ponto de partida para que o Benfica deva encarar a partida com a maior atenção, cônscio no entanto de que tem todas as condições para se impor dentro das quatro linhas. Não temos dúvidas de que em condições normais a mais valia encarnada não deixará de prevalacer.

7. Já que estamos a falar de Europa, não gostaríamos de deixar sem referência a equipa de Juniores encarnada. Apesar de no plano interno estar a ser afectada por alguns sobressaltos a que não será alheia a focagem na “European Youths League”, a realidade é que a jovem equipa encarnada tem vindo a ter uma carreira promissora vencendo destacada a Fase de Grupos e, no momento em que começaram os jogos a eliminar, a equipa deu uma cabal demonstração do seu poderio vencendo sem apelo nem agravo o Áustria de Viena que por coincidência foi o 2.º classificado do grupo onde estava inserido o FC Porto. Segue-se o Manchester City com a mesma ambição de sempre – vencer!






Bookmark and Share