Ponto Vermelho
Insistências acessórias
16 de Março de 2014
Partilhar no Facebook

1. O Benfica através de uma exibição concludente e em certos períodos deslumbrante derrotou categoricamente o histórico Tottenham em sua casa por uns significativos 3-1. Os ingleses não perdiam em casa há 11 jogos para as competições europeias o que sobreleva ainda mais o êxito dos encarnados até porque, segundo reza a história implacável das estatísticas, o saldo das equipas portugueses nos jogos disputados na Velha Albion incluindo o próprio Benfica, é francamente negativo. Um feito, portanto que importa assinalar, dado que não aconteceu por acaso mas sim através de uma situação que não deixou margem a quaisquer dúvidas. Até aos próprios ingleses que ficaram rendidos à superioridade encarnada.

2. Por tudo isso e porque se tratou de um jogo em que estava em causa uma equipa portuguesa e a sua prestação, caso viesse a ser positiva reforçaria não só o prestígio do Benfica como do próprio futebol português, esperar-se-ia que o foco principal dos analistas e comentadores encartados se concentrasse nos aspectos fundamentais do jogo desenvolvido pelos encarnados. Eventuais detalhes marginais e sem qualquer influência no decorrer do próprio jogo e na exibição das equipas deveriam, não só ser relegados para o plano que mereciam – o secundário –, como referidos en passant uma vez que nada têm a ver com a popularidade que o futebol alcançou e não é por isso que os adeptos se deslocam aos estádios.

3. Todavia, não resistindo à prática continuada de bastidores e à bisbilhotice que preenchem uma boa parte dos meandros da nova profissão, um número assinalável de plumitivos promoveu a actuação do treinador do Benfica a factor principal de análise e de reportagem e relegando o jogo para segundo plano, quiçá até, nalguns casos, desagradavelmente surpreendidos com a exibição do Benfica que esperavam viesse a soçobrar. A forma excitada como descreveram todas as cenas lateralizantes fazem-nos crer que a profissão é para alguns uma oportunidade de auto-afirmação da sua própria personalidade. No auge da excitação houve até quem desfiasse acentuadas doses de paternalismo e um catálogo de conselhos à estrutura dirigente encarnada, com intenções subjacentes que não deixam de fazer pensar os adeptos encarnados que afinal há quem se preocupe com a imagem e o bem estar do Benfica... Os próprios media ingleses até devem ter ficado surpreendidos…

4. Em tempo oportuno fizemos referência aos acontecimentos atribuindo-lhe a importância que os mesmos tiveram – irrelevante. Não vamos por isso, só porque sim e porque existe alguma algazarra, contribuir seja de que maneira for para continuar a alimentar o assunto. Isso é para alguns pasquins sejam eles de que natureza forem, que apreciam fabricar polémicas estéreis em redor de tudo e coisa nenhuma, tentando afastar as atenções dos assuntos que realmente interessam aos amantes do futebol e se quisermos aos portugueses em geral. Estão há muito apresentados e por mais que desempenhem o papel de tarefeiros a soldo de pseudo poderes fugidios, já não conseguem com excepção daqueles que gostam de assimilar tudo o que lhes vendem, convencer ninguém.

5. O que importa verdadeiramente é que no essencial – no futebol jogado – o Benfica prestigiou o futebol português e prestigiou-se a si próprio tendo aberto uma auto-estrada de quatro faixas rumo aos quartos de final da Liga Europa, faltando confirmar apenas a sua chegada à portagem que dele está à espera para lhe abrir a cancela. De sublinhar que pode não ser um mero proforma o carimbar da passagem mas de um caminho árduo caso porventura os encarnados não encarem o jogo da próxima 5.ª feira com o respeito que o Tottenham justifica e merece. O futebol está cheio de exemplos e o próprio Benfica já o sentiu na pele. E, por outro lado, o facto do jogo ser disputado escassos 3 dias depois de outro que se antevê muito difícil e intenso na Choupana deve originar cuidados redobrados.

6. O Benfica, tendo em conta episódios anteriores que acabaram por deitar tudo a perder, deve manter-se focalizado nos objectivos que traçou e que se sabem quais são. À medida que a época avança para o epílogo passarão a existir cada vez mais tentativas de desestabilização e manobras evasivas para desviar a atenção e com isso propiciar a desconcentração. A estrutura encarnada estará certamente de sobreaviso e prevenida para os efeitos perniciosos que tais campanhas poderão causar e eventuais desvios que possam existir deverão, se for caso disso, ser resolvidos de forma calma e ponderada internamente sem qualquer necessidade de publicitação. Por muito que isso custe aos alimentadores de polémicas…

PS – Sobre o escaldante Sporting-FC Porto de hoje: o resultado que interessa particularmente é que o Benfica vença na Madeira…








Bookmark and Share