Ponto Vermelho
Objectivo? Confirmação!
20 de Março de 2014
Partilhar no Facebook

Pondo de parte as intensas manifestações folcloristas que enxameiam o Futebol português e que fazem ressaltar o que de pior ele tem, temos hoje o segundo jogo dos oitavos de final da Liga Europa que poderá configurar mais uma etapa afirmativa para o nosso futebol… no campo. Porque é sempre importante, época após época, que as equipas portuguesas possam fazer carreiras meritórias nas provas europeias dado que daí resulta dinheiro e pontos para o ranking nacional, reforçando o prestígio das equipas e de Portugal. Mesmo que isso choque os adeptos mais radicais dos vários clubes que ficam sempre satisfeitos com as derrotas alheias.

Numa visão que não deixa de ser pragmática, entendemos que os dois sobreviventes têm razões suficientes para acreditar na passagem aos quartos-de-final. Em termos lógicos e reais mais o Benfica do que o FC Porto, muito embora o resultado tangencial alcançado pelos portistas no jogo da primeira mão no Dragão conceda algum conforto ainda que não segurança. Porque mesmo que o actual Nápoles se encontre neste momento fora de elite europeia, o segundo jogo é disputado num ambiente assaz adverso para a equipa do FC Porto que pode galvanizar os napolitanos e simultaneamente causar dificuldades acrescidas aos portistas.

Dirigida por um técnico experiente que já causou dissabores aos benfiquistas e a Jorge Jesus à frente do Liverpool e do Chelsea, a equipa do Nápoles está recheada de bons valores mas está longe de se apresentar como equipa temível. Por sua vez o FC Porto dá indícios de querer acordar do pesadelo que tem sido esta época a todos os níveis, podendo encontrar na Europa a válvula de escape que não tem encontrado a nível nacional, atendendo a que o campeonato já é apenas uma miragem e as restantes provas em disputa, mesmo que delas saia vencedor, não ofuscam a perda do campeonato. Acresce ainda que, quanto à Taça da Liga não é líquido que ela se venha a concluir na presente temporada dado terem acontecido, por culpa do próprio FC Porto, acontecimentos que demonstram o nível rasteiro do nosso futebol. E no campeonato português, a nível dos grandes, quem não chegar ao fim no primeiro posto é sempre o grande derrotado.

Na Luz um cenário diferente mas onde reina o entusiasmo. Justificado aliás. Depois da magnífica exibição em White Park Lane e de um não menos encorajador resultado, a equipa do Benfica disputava na Madeira um dos encontros tidos com fundamentais na sua caminhada para o título. É certo que o encontro poderia ser encarado com alguma tranquilidade porquanto mesmo admitindo a pior situação, a almofada pontual seria sempre de molde a salvaguardar o futuro. Mas sabendo-se por natureza que uma das principais componentes do futebol é o aspecto psicológico, a perda de pontos poderia vir a ressuscitar alguns fantasmas do passado recente e, dada a maratona de jogos que se avizinham, o jogo com o Tottenham poderia ser encarado de outra maneira dada a proximidade de mais um jogo nacional importante no Domingo contra a sempre difícil Académica.

Com o resultado favorável que aconteceu, a gestão emocional pode ser feita com muito maior tranquilidade. O resultado trazido de Londres é aparentemente confortável, mas desenganem-se aqueles que pensam que o Tottenham é uma equipa vulgar. Ainda que o momento interno não seja o melhor e se apresente algo desfalcada fruto das lesões de alguns dos seus jogadores influentes, a realidade é que, como equipa inglesa é sempre competitiva independentemente do campo onde se exibe e seja qual for o adversário, sendo que a derrota em casa por números que não deixaram margem a qualquer dúvida não deixou de causar incomodidade e, tal como o FC Porto, vê na Liga Europa uma oportunidade de se ressarcir dos resultados menos felizes intramuros que não estão a justificar o mega investimento realizado para esta época.

É nesse enquadramento complexo que o Benfica se apresta para tentar carimbar a sua passagem aos quartos-de-final da prova. Embora mande a prudência afirmar que todos os cenários poderão ser tido como admissíveis, não acreditamos que possa haver lugar a surpresas. Desde que os encarnados entrem em campo conscientes que é preciso encarar o desafio com a responsabilidade e concentração necessárias, estamos certos que com maior ou menor dificuldade a ultrapassagem da eliminatória será um facto consumado. Até porque, face ao resultado adverso, o Tottenham não terá grandes alternativas senão lançar-se no ataque para a obtenção de golos que lhe permitam acalentar esperanças. E perante essa possibilidade, por certo abrir-se-ão espaços que os mais velozes jogadores do Benfica gostam de explorar. É até capaz de vir a ser um jogo interessante.








Bookmark and Share