Ponto Vermelho
Menos uma jornada…
24 de Março de 2014
Partilhar no Facebook

1. Não é possível disfarçar que, enquanto os apaniguados dos principais rivais já interiorizaram a inevitabilidade do Benfica ser campeão, os adeptos encarnados vivem expectantes perante uma amálgama de emoções e sentimentos, em que se misturam a euforia, a prudência, a confiança e a expectativa da próxima jornada e, para os mais pessimistas, a desconfiança e o ver para crer fruto das marcas recentes. Todos terão a sua parte de razão. E os minutos finais do jogo com o Tottenham lembraram-nos que no futebol tudo é possível, pelo que falar, exteriorizar alegrias e soltar a euforia depois do facto consumado é, sem dúvida, a terapia mais adequada às circunstâncias e ao momento.

2. O jogo de ontem com a Académica era encarado com a confiança própria de quem acredita no seu potencial e nas suas possibilidades, mas ao mesmo tempo com a prudência de quem sabe e tem por experiência que num jogo de futebol a hipótese de virem a acontecer situações imprevisíveis é sempre real e pode ser potenciadora de surpresas para os jogadores e para os próprios adeptos. Os estudantes aconselhavam precaução por serem um adversário de respeito e por terem alcançado três vitórias na Luz em temporadas não muito distantes, com a particularidade da primeira na temporada de 2008/2009 para a então Liga Bwin ter sido por uns concludentes 3-0.

3. Não existindo fórmulas mágicas que previnam eventuais deslizes, sabe-se que tirando a imprevisibilidade de um jogo de futebol, que uma boa parte do caminho para o sucesso é construído a partir da forma como qualquer equipa que disponha de um plantel claramente superior encare o encontro. E acontecendo com regularidade que mesmo contra equipas consideradas inferiores os jogos são por vezes decididos através de meros detalhes, importa que os jogos sejam sempre encarados com o máximo de aplicação e de concentração. O que nem sempre acontece por um conjunto de razões, uma das quais é o factor psicológico a funcionar na mente dos jogadores que a programa para que acreditem que mais cedo ou mais tarde vai aparecer o golo salvador que desbloqueará o encontro. Essa tem sido uma das principais causas para algumas surpresas e outras tantas desilusões.

4. Não foi o caso de ontem pois vimos desde o primeiro minuto que os jogadores estavam preparados para enfrentar qualquer surpresa. Traçado o principal objectivo da vitória foram à sua procura de forma firme, decidida, pressionante e paciente, através de uma contínua circulação de bola a começar no seu espaço mais recuado com o intuito de atrair os jogadores da Académica e assim baralhar marcações de forma a permitir-lhes entrar no seu extremo reduto e assim construir oportunidades de golo. É um Benfica diferente, mais pausado e mais calculista que explode nos momentos decisivos e que assim consegue manter maior segurança defensiva através de uma maior pressão e rigor em todo o campo.

5. Esta nova faceta do Benfica é menos espectacular mas em contrapartida é mais consistente e mais eficaz globalmente. Isso tem-se visto nos resultados obtidos para as diversas provas, sendo que a maturação só foi atingida a partir de meio da temporada depois de afugentados os fantasmas do passado recente tantas vezes evocado e da completa assimilação dos processos por alguns dos novos protagonistas que, tendo talento, estavam algo distantes das ideias de jogo preconizadas. Depois porque a sequência de vitórias trás associada uma nova força anímica bem reflectida na subida de forma de jogadores que estavam menos confiantes e por isso distantes do seu real valor.

6. Curiosamente tal acabou por acontecer no momento em que o principal goleador estava ausente devido a lesão persistente que depois de um fim e princípio de época atribulados o tem feito perder boa parte dela, tendo também em consideração a sua morfologia que exige que esteja sempre em actividade. De qualquer maneira, tendo sido alterada a fórmula de um ponta-de-lança fixo para dois avançados móveis, a situação tem vindo a ser bem aproveitada especialmente por Rodrigo que estará a atravessar a melhor forma desde que chegou ao Benfica, trazendo uma dinâmica diferente na frente atacante que se tem reflectido no bom desempenho da equipa. Cardozo continua a ter em perspectiva um importante papel nesta parte final da temporada, até porque a terrível sucessão de jogos acabará por dar azo a que todos os jogadores tenham oportunidade de ser decisivos.








Bookmark and Share