Ponto Vermelho
Todos os caminhos vão dar a Aveiro!
13 de Abril de 2014
Partilhar no Facebook

1. Com o encurtar das jornadas do campeonato em que cada vez o título ameaça fica mais perto da equipa do Benfica o reconquistar para júbilo dos seus milhões de adeptos em todo o Mundo, sente-se no ar a atmosfera que rodeia os grandes jogos e as grandes decisões. É assim que ele deve ser encarado, pois neste momento seria manifestamente impensável a estrutura benfiquista entrar em euforias que por enquanto não se justificam. Pelo contrário, o jogo de logo à tarde deve ser encarado como um dos mais importantes dos últimos tempos.

2. Não entremos, todavia, pelo exagero contrário. Exigir que o grupo de trabalho e os adeptos e simpatizantes não sintam que o mais importante objectivo da época está cada vez mais próximo seria contrapruducente, mesmo admitindo que essa tarefa pode encerrar em si mesma a velha teoria da faca de dois gumes. Se esse legítimo entusiasmo que começa a crescer e a propagar-se das bancadas pode, de facto, exercer uma influência negativa nos jogadores e causar um hipotético relaxamento competitivo e uma menor capacidade de concentração, no outro gume há que explorar a vertente positiva e galvanizadora que faz com que os jogadores sintam que acreditam neles e dêem o melhor de si próprios para atingir esse desiderato comum. Tem sido essa, aliás, uma das fontes alimentadoras de muitas vitórias.

3. Se em cada adepto o modo como encara esta ponta final e em particular o jogo de hoje pode diferir substancialmente, estamos convictos de que a grande maioria encara a partida com alguma prudência ainda que com inabalável confiança na vitória benfiquista que, em circunstâncias normais, poderá acontecer com toda a naturalidade. Mas para que isso se concretize, aparte outros factores não directamente controláveis, é preciso, à partida, que os jogadores mantenham o nível de concentração exigível à importância do desafio sempre com a ideia que o ambiente escaldante que se fará sentir nas bancadas do estádio escolhido pelo clube anfitrião poderá também contribuir para fazer reagir o Arouca.

4. Para trás deverão ficar as referências de viscondes de auréola perdida e que, perdidos no tempo, persistem em viver no tempo da monarquia. Mesmo que por remota hipótese o panorama actual viesse a sofrer uma transformação radical, nada nem ninguém deverá deixar de reconhecer o indiscutível mérito encarnado que deve ser ainda mais evidenciado à luz de um princípio de época algo deprimente que deixou os adeptos desanimados e em polvorosa. Faz parte do cenário e os inúmeros vassalos que enxameiam a comunicação social fazem questão de manter as tropas animadas. Porque afinal, falar de um objectivo importante ainda que inesperado, não é propriamente a mesma coisa do que estar a abordar um cenário macro que obriga a dispersões por mais e melhor gestão que seja feita.

5. O desafio de hoje em Aveiro sendo de crucial importância, é apenas o primeiro de uma longa maratona que o Benfica tem de disputar para as diversas provas em que participa. Do nosso ponto de vista e tendo em consideração as circunstâncias actuais, o tempo tem que ser bem gerido porquanto para além de jogar, pouco mais tempo sobra para treinar pois as deslocações e a dispersão provocada pela variedade de provas em que o Benfica participa não deixa margem para mais actividades. Daí que a tese tantas vezes repetida do jogo a jogo deva continuar e a fazer cada vez mais sentido.

6. É nesse contexto difícil mas ao mesmo tempo aliciante que está programada uma autêntica romaria de adeptos benfiquistas ao Estádio Municipal de Aveiro um dos elefantes brancos que assim vê justificada a sua existência. Num ambiente de entusiasmo e fervor benfiquistas, é indispensável que no relvado a equipa encarnada tente encontrar o mais cedo possível o caminho que a aproxime ainda mais do seu objectivo principal. É também previsível que o nosso adversário entre em brios e tente complicar o mais possível a tarefa do Benfica como aliás fez no jogo da Luz onde conseguiu empatar os encarnados. É bem certo que na altura o índice competitivo dos encarnados ainda apresentava alguns resquícios do final da temporada anterior, mas é bom e imprescindível pensar que em futebol tudo pode acontecer, mesmo até o inesperado. Logo toda a concentração não é demais. Que todos tenham consciência disso.








Bookmark and Share