Ponto Vermelho
Que teremos hoje?
16 de Abril de 2014
Partilhar no Facebook

1. Hoje começa uma parte das decisões que impendem sobre o Benfica com a disputa da 2.ª mão das meias-finais da Taça de Portugal na Luz frente ao FC Porto por quem foi derrotado por 1-0 no primeiro jogo no Dragão. Desta vez a distância temporal entre os dois jogos da eliminatória é menor o que representa um facto positivo, sendo que o ideal seria acontecer logo na semana seguinte como aliás sucede nas eliminatórias da Liga Europa. Mas neste intrincado calendário e falta de articulação entre as provas organizadas pela Liga e pela Federação acabam por suceder jogos à pressão justamente quando as equipas portuguesas ainda eventualmente presentes na Europa estão a atravessar a fase mais complicada e a ser afectadas por um desgaste que acaba necessariamente por se reflectir nas suas prestações. Mas enfim…

2. Foi muito comentada (e criticada) a decisão de Jorge Jesus de ter deixado de fora no Dragão seis habituais titulares que, segundo os entendidos, ajuda a explicar em parte o resultado negativo obtido e que até poderia ter sido mais dilatado. Mas as coisas são o que são e não como poderiam ter sido, pelo que é com essa situação real que os encarnados terão que lidar no jogo de logo à noite. Costuma-se opinar que os resultados desfavoráveis de 1-0 em casa do adversário são perigosos porquanto basta este marcar primeiro no 2.º jogo para forçar a equipa anfitriã a ter que concretizar três vezes. É, de facto, uma realidade incontroversa.

3. Mas em futebol há todo um conjunto de condicionantes que podem sempre alterar o rumo dos acontecimentos e encaminhá-los para situações deveras inesperadas. O que sendo excelente para que a magia do futebol aconteça, é desgastante para a equipa mais afectada e para os seus adeptos e simpatizantes. Dois exemplos ilustrativos ao acaso; o sucedido para a mesma prova há três épocas entre os dois rivais que hoje se defrontam em que depois do Benfica ter vencido no Dragão por um resultado concludente, acabou por ser eliminado na Luz; e, na última jornada da Liga Europa, onde o Valência depois de ter sido copiosamente batido em casa do Basileia virou o resultado e a eliminatória a seu favor.

4. Casos como estes ajudam a explicar o que a natureza nem sempre explica, pois como se sabe o resultado de um jogo de futebol é determinado por um conjunto diversificado de factores nem sempre lógicos mas que acontecem para gáudio dos amantes do desporto-rei. Estamos porventura perante um jogo com essas características, sendo certo que à partida, tendo em conta a matriz de jogo de qualquer das equipas em presença, não será um jogo fácil para nenhuma delas. A rivalidade por vezes doentia que atinge algumas envolventes que afectam o jogo em si acabam por determinar situações de todo dispensáveis porque podem ser do agrado de franjas mas não o serão certamente da maioria dos adeptos.

5. Tem-se constatado felizmente nos últimos clássicos e dérbis que os dirigentes se têm abstido de produzir declarações na antecâmara dos jogos que na maior parte das vezes acabam por incendiar o ambiente à volta do jogo. Para este tal voltou a acontecer de certa forma, pelo que eram perfeitamente escusadas as alusões de Pinto da Costa na linha das que costumava debitar quando estava na mó de cima. Como os últimos tempos têm sido complicados para os lados do Dragão tem sido mais comedido, mas está-lhe na massa do sangue fingir que ainda consegue ser irónico. De qualquer forma não será isso que irá assombrar o clássico que tenderá a decorrer dentro da normalidade.

6. Tem sido curioso acompanhar as diversas opiniões sobre quem recai a maior pressão e sobre quem fica mais a ganhar e a perder. Estando o foco máximo dos encarnados no campeonato que tudo indica será concretizado no próximo fim de semana, quer-nos parecer, sem sombra de dúvida, que o que mais tem a perder será o FC Porto que, a ser eliminado, aumentará a frustração e a desilusão dos seus adeptos. Natural portanto que tentem tudo para que isso não venha a acontecer, sendo que isso será um facto que não causará qualquer tipo de estranheza à estrutura encarnada. Aguarda-se por isso um jogo intenso com os dois clubes a quererem carimbar o passaporte para o Jamor. Embora tudo esteja em aberto, mantemos que o Benfica na conjuntura actual, terá todas as possibilidades de o conseguir. A ver vamos.








Bookmark and Share