Ponto Vermelho
Formação e falta dela
11 de Maio de 2014
Partilhar no Facebook

Por Bolandas

1. O SC Braga sagrou-se Campeão Nacional de Juniores. Merecida festa que correu toda a cidade dos arcebispos e extendeu algum regozijo um pouco mais a sul - aí não tanto pela vitória dos arsenalistas, mas somente pela derrota do Benfica. Diga-se em abono da verdade que os jovens bracarenses foram uma equipa no verdadeiro sentido do termo, solidária, compacta, autênticos guerreiros que fizeram do colectivo a sua maior força, correram por fora na corrida dos grandes e acabaram por ver a sorte sorrir-lhes no final - merecidamente, diga-se. Da nossa parte importa dizer que há Campeonatos de Juniores mal perdidos e tirar as ilacções necessárias. 2004/05 foi um exemplo, quando João Capela esteve em destaque e ofereceu em bandeja de ouro o título ao Sporting de Paulo Bento numa das maiores vergonhas que o futebol de formação jamais assistiu... e que nos fez perceber, de alguma forma, como os árbitros chegam à 1.ª categoria. Também o das pedras encarnadas de 2009 da juíza Alexandra, com emocionantes volte-faces, que nos ensinou como as cunhas na (in)justiça desportiva e o clamor público são importantes...

2. Neste contudo as circunstâncias foram diferentes. Depois de uma fase regular aquem do exigível, a nossa fase de apuramento de campeão foi também ela incompreensivelmente irregular - ainda que com a atenuante de ser abrilhantada pela campanha na Youth League que tanto orgulhou os benfiquistas e cumulativamente prestigiou a formação do Clube e a Portuguesa. Intramuros contudo, por manifesta culpa própria as intermitências foram recorrentes; comprometedor empate a abrir em casa ante o Leixões depois de estarmos a vencer 3-0 ao intervalo; e depois de irmos em busca dos pontos perdidos com maior acerto e afinco aproveitando as sucessivas escorregadelas dos nossos adversários, apesar de termos os melhores jogadores nem por isso estivémos à altura no confronto directo com Sporting e FC Porto, perdendo em Alcochete a jogar contra 10 e empatando em casa contra o eterno rival, e deixando as decisões para a derradeira jornada no Olival, onde tudo - literalmente - pode acontecer. Como se sabe…

3. Quanto ao jogo no Olival é previsível que faça correr muita tinta. É inclusive expectável, por parte dos outrora acérrimos defensores da tese das «provocações» dos stewards no caso Hulk & Sapunaru, que sejamos brindados com algum contorcionismo em torno de actos irreflectidos como o de Hildeberto. Desconhecemos como a história vai acabar, apenas sabemos como começou. Aliás, a partir do momento que se soube das manobras de marketing do FC Porto para levar gente ao Olival num jogo sem aspirações e ainda que não iria haver transmissão televisiva obviamente para que à posteriori se pudesse fazer o rastreio do que lá se passaria, percebemos claramente que a tenda estava montada. Nada seria aliás deixado ao acaso por essa gente doente que tanto mal faz ao futebol e em particular ao da Formação; 8 polícias escolhidos a dedo; Super-Dragões montados em cima do banco do Benfica a cuspir, ofender e lançar petardos para perto dos nossos jogadores - inclusive obrigando à interrupção temporária da partida; e ainda um árbitro que - coitado... - na grande penalidade que favoreceu o FC Porto deixou logo perceber ao que ia.

4. A incerteza quanto à decisão do futuro campeão manter-se-ia até final, o golo inaugural do FC Porto punha o SC Braga na frente, o golo da União de Leiria frente a arsenalistas adiantava o Benfica, o 1-1 por Romário colocava de novo a dois golos um eventual volte-face, e o penálti desperdiçado pelo FC Porto mantinha-nos na senda do título. Ao intervalo era a equipa de João Tralhão que festejaria por via do confronto directo com SC Braga, mas na segunda parte tudo mudou; o FC Porto voltou a adiantar-se no marcador no Clássico, e também o SC Braga tomaria a dianteira em Leiria. Tudo perdido estava, mas novo golo do União de Leiria mantinha a esperança até ao final - bastava-nos empatar. Seria no entanto insuficiente e a festa fazer-se-ia em Leiria pelo SC Braga, clube que não era campeão de juniores desde... 1976/77.

5. Importa referir que no futebol de Formação é importante sobretudo fazer crescer os homens e potenciar os atletas. Por motivos que pouco têm a ver com os adeptos e que passam sobretudo pelo epíteto da «academia de sonho» tão propalada pela imprensa, compreensivelmente ser hoje em dia uma tarefa hercúlea e dele abrir mão. Agora, o que se passou(a) em Braga (ano após ano...), no Olival, ou mesmo em Alcochete, com os profissionais do Benfica e os jovens jogadores envoltos em situações inimagináveis e que deviam fazer corar de vergonha os clubes anfitriões, tem forçosamente de ser erradicado. Da nossa parte e restringindo-nos ao aspecto desportivo, importa dizer que não é caso para que caia o Carmo e a Trindade por este campeonato ter sido ingloriamente perdido. Apenas fazemos votos que, pelo Seixal, esta geração de inequívoca qualidade compreenda que poderia ter deixado outro legado; quer ao Clube, quer aos adeptos que sempre lhes tributaram carinho.

NDR1 - Manuel Queirós parece de volta ao seu melhor depois de meses de surpreendente equilíbrio. Estranha metamorfose esta, para mais tratando-se ontem de um clássico a feijões. Falou do penálti do Benfica-FC Porto da Taça de Portugal não ser penálti, o peditório para a expulsão de Jardel foi incessante, e houve até direito à cereja no topo do bolo com a relativização da entrada assassina de Alex Sandro a Salvio... Citemos Oliver Holmes: «A mente de um fanático é como a pupila do olho: quando mais luz incide sobre ela, mais se irá contrair»

NDR2 - Excelente vitória do Hóquei em Patins na sempre difícil deslocação aos Açores. O Andebol também cumpriu. Já o Basquetebol poderá rectificar hoje o desaire...

NDR3 - Com o empate hoje dos Iniciados A em Leiria também as contas do Escalão ficaram adiadas para a última jornada. O Sporting desloca-se a Leiria e os nossos miúdos... ao Olival em mais uma coincidência. Esperemos que a questão dos expedientes não se repita, se bem que aqui também há vontades de muitas famílias...










Bookmark and Share