Ponto Vermelho
Gestão no futebol… ou falta dela! - Parte I
17 de Maio de 2014
Partilhar no Facebook

Por EagleView

Alguém que reduz um projecto que ainda não terminou, a work in progress, aos resultados financeiros obtidos ao longo do tempo que dura o projecto ou está a brincar, está de má fé ou então não percebe nada de gestão, não sabe o que é gerir uma empresa. Provavelmente será um pouco de tudo. Nenhum negócio existe ou tem por fim gerir meios para pagar juros. Isso são detalhes, o financiamento são meios in the big scheme of things para se obter outras coisas. Como a electricidade é um meio para se poder trabalhar e pôr as máquinas a trabalhar.

Para além disso, o que se diz para o Benfica pode dizer-se para o FC Porto. A diferença para o Benfica é que o FC Porto não teve de pagar com o dinheiro gerado pela actividade grande parte dos custos dos seus equipamentos, vendeu os activos mais valiosos, tem actualmente salários em atraso (já o ano passado os tinha), o que o Benfica nunca teve, não tem um projecto de audiovisual rentável, a formação é o que se vê, continua dependente de golpes de asa, de manobras de curto prazo, de truques de prestigiação. Depois de vendas de centenas de milhões de euros de jogadores ao longo dos últimos anos o que resta ao FC Porto, as taças que ganhou e que calaram a boca aos adeptos e enriqueceram algumas pessoas? Só uma pergunta: depois de venderem o Jackson, Mangala e Fernando o que é que resta ao Porto para vender? O FC Porto vai ter de fazer um downsizing como já fez o Sporting, cujo orçamento foi reduzido para um terço do do Benfica.

Sempre fui de opinião que o FC Porto foi sempre mal gerido, sob o ponto de vista estritamente empresarial. As pessoas que o geriram sempre foram pessoas, salvo raras exceções, ignorantes em gestão de empresas, eu diria mesmo pessoas medíocres, sem visão, mais preocupadas em garantir resultados desportivos a curto prazo e resultados financeiros para si próprios, mas nunca olhando a longo prazo, sem olhar a meios e sem hesitar em utilizar truques e manobras ilegais. Por exemplo, o que construiram em equipamentos, estádio, centro de treinos, foram todos feitos com a ajuda (desigual vis à vis com os concorrentes mais directos) do Estado e das Câmaras locais, por vezes com manobras ilegais à mistura como já foi denunciado pelo próprio Tribunal de Contas. Nem vale a pena repetir o que já veio a público.

Grande parte das vitórias e conquistas não passaram de falácias pois foram conquistadas graças àquilo que toda a gente já conhece e que também é do domínio público. Portanto, gestores que premeiam o curto prazismo e não apostam no longo prazo mais tarde ou mais cedo são punidos. É dos livros. E quem sofre são as instituições que comandam e por extensão os seus acionistas, associados e adeptos em geral. Basta comparar com a gestão feita por LFV no Benfica desde há 10 anos que, começando por baixo, começou a construir o Novo Benfica como se constrói um edifício, com a preocupação de o criar sobre alicerces sólidos. Apesar de ter apenas a antiga 4ª classe (ou talvez mesmo por isso), por ser construtor e saber como se edifica uma casa ou um prédio, preocupou-se em construir a partir de baixo, enquanto ia aprendendo ao longo do caminho o negócio do futebol, que leva anos a conhecer sobretudo os meandros. Especialmente em Portugal, onde o negócio do futebol sofre de idiossincracias muito próprias e de há muito conhecidas.

Os resultados começam agora a ver-se. Mas o edifício ainda não está completo, falta-lhe o telhado assim como alguns acabamentos importantes que irão ser realidade num futuro próximo e que embelezam o edifício, como não poderia deixar de ser. A gestão de LFV à frente do Benfica poderia ser no futuro um Case Study nas melhores universidades mundiais, porque é um exemplo de gestão notável. Um caso de visão e da sua implementação, feita com paciência, aprendizagem along the way, intuição e competência, lutando por vezes contra tudo e contra todos. Em particular dos invejosos. Poderíamos escrever e publicar um livro sobre isso pois abundante matéria não nos faltaria.










Bookmark and Share