Ponto Vermelho
Fucile sem papas na língua!
9 de Julho de 2014
Partilhar no Facebook

Por EagleView

Nenhum clube ou se quisermos os dirigentes que por lá passam ao longo dos tempos, não falhou aqui e ali em aspectos comportamentais, chamemos-lhe assim. Nenhum pode dizer que não errou (com ou sem dolo) como é próprio de qualquer ser humano que se preze, sendo que os clubes dirigidos por eles são inevitavelmente falíveis. O Benfica não é excepção nesse particular embora de forma reactiva o que em si não releva os erros. Apenas os atenua.

Mas há clubes como por exemplo o FC Porto de Pinto da Costa que tem abusado por sistema, pois construiu a sua hegemonia de 30 anos precisamente assente em golpadas, em esquemas mirabolantes de bas-fond e em influências perversas. Mas, para além disso e numa das vertentes quiçá mais importantes, os pintistas estabeleceram como ponto de honra em todas as estruturas que incluiu os jogadores e se estendeu aos adeptos, o ódio visceral ao Benfica de que abundam inúmeros exemplos e que servia basicamente para motivar as estruturas.

Qualquer relação com jogadores encarnados ainda que fosse simplesmente dizer bom dia estava de antemão proíbida. A forçosa evolução de mentalidades e a proliferação de jogadores estrangeiros por vezes do mesmo país e ainda por cima com relações de amizade entre eles, fez transpirar para a opinião pública alguns casos sintomáticos como o do austríaco Marko Janko, o belga Defour e agora o uruguaio Jorge Fucile. Aos poucos, os adeptos em geral vão tomando conhecimento através das 1.ªs pessoas de casos e situações caricatas que rumorejavam e que agora se tem conhecimento com a maior das naturalidades.

Jorge Fucile concluiu, no passado dia 30 de junho, uma longa ligação de oito temporadas ao FC Porto. Entretanto, já assinou pelos uruguaios do Nacional Montevideo e, ontem, no seu primeiro treino ao serviço do novo clube, o lateral, de 29 anos, mostrou que continua com o FC Porto bem vincado no seu pensamento. Num tom extremamente crítico, em declarações prestadas à rádio Sport 890, Fucile explicou a sua saída do Dragão e, ao fazê-lo, até evocou o tempo da escravatura, tendo os dirigentes azuis e brancos como alvos das suas palavras. Tudo começou assim: "Já não vivemos no tempo da escravatura, mas era isso que se passava no clube. O FC Porto é uma monarquia absoluta, em que todos fazem o que eles querem, e eu revoltei-me contra eles."

E prosseguiu Fucile no mesmo registo crítico: "Queriam que renovasse o meu contrato por mais um ano, mas disse-lhes que não. Queriam decidir a minha vida, para onde tinha de ir, onde deveria jogar, mas disse-lhes que quem decidia o meu futuro era eu. Depois disso, disseram-me que se não renovasse, não me emprestavam e iam afastar-me do plantel. Senti-me injustiçado. Nenhum clube do Mundo faz isto a um jogador, mas foi o que aconteceu. Até arrisquei a minha presença no Mundial."

Em novos episódios do modo como funciona a estrutura perfeita, também a mulher do ex-portista James Rodriguez já se tinha debruçado sobre as nuances a que estão obrigados os jogadores portistas que mais parecem andar fechados em redomas certamente protegidas pela guarda coreana dos Superdragões. Atentemos nas suas palavras que revelam que o seu marido estava circunscrito em termos territoriais e não podia visitar a capital a não ser integrado na estrutura. Isto num país livre… : "O fanatismo dos adeptos em Portugal é muito perigoso. James não sai muito e nunca vai a Lisboa. Tomamos algumas precauções".

Atsu´s Wife: Casada há um ano com Christian Atsu, a alemã Marie-Claire Rupio, de 19 anos, manifestou ao site ganês ghanasoccernet, toda a revolta pela maneira como os dirigentes do FC Porto estão a lidar com o atleta após este ter manifestado vontade em sair. "No FC Porto é só mafiosos. Como é que eles podem estar a fazer-lhe isto?", questionou a jovem. "Mas ele vai conseguir o que quer", observou. Marie-Claire diz também que o jogador estava a ser alvo de perseguição, isto depois de ter anunciado na rede social facebook, a vontade de abandonar o emblema portista, para assim poder "concretizar sonhos". Mas será que no FC Porto não é permitido sonhar?

Coreia do Norte? Este tipo de gente é capaz de tudo. Digo isto porque vivo numa freguesia de Guimarães por isso conheço muitos adeptos do Porto e sei a sua mentalidade, pois são capazes de vender até a própria mãe. Permitam-me contar uma das muitas coisas que me aconteceu e a menos grave um senhor que foi meu senhorio, em que sempre que passava por mim, dizia bom dia falava comigo e no dia que soube que eu era do Benfica nunca mais me passou bola. Esta é a mentalidade que por lá se cultiva…

Más línguas ou pura realidade? Depois do Pai Natal azul (com réplica verde do outro lado da 2ª circular), consta que na Torre das Antas, as funcionárias estão terminantemente proibidas de usarem as unhas pintadas de encarnado!!!!! Mais: O actor e grande benfiquista António Melo conta que num torneio de futebol de crianças no norte (onde foi acompanhar o seu filho) com o SLB, FCP e outros clubes, encontrou lá um amigo. O filho dele jogava nos portistas. E foi ele que lhe contou que, "por imposição dos dirigentes do Porto, os miúdos do FCP não podiam conviver com ninguém de outros clubes". Às tantas ele até lhe disse que estava com receio de ser visto. Fartei-me de esfregar os olhos até concluir que estava acordado, e isso levou-me à inevitável pergunta: como é possível isto acontecer?


Bookmark and Share