Ponto Vermelho
Teorias enganadoras
17 de Julho de 2014
Partilhar no Facebook

Por EagleView

O plano de derrapagem que se tem vindo a notar nos últimos anos na outrora estrutura de sonho do FC Porto de Pinto da Costa só disfarçado por alguns erros e insuficiências patenteadas pelo Benfica em conjugação com os mestres das golpadas do costume que ainda que com menor incidência continuam activos, não dá sinais de abrandamento. Pelo contrário, aquilo que os vendilhões de estórias se têm esforçado por passar esta época tem muito que se lhe diga e levanta um oceano de interrogações. Veremos pois, no futuro próximo, como as coisas evoluirão.

No seguimento de uma época desastrosa em que até não faltaram erros de palmatória do homem que mais sabe de futebol em Portugal e em particular dos bastidores em que se move como ninguém embora já sem a destreza que o costumava caracterizar, havia que fazer alguma coisa. E, como seria expectável para muitos, o ainda timoneiro portista optou pela fuga para a frente para tentar recuperar o terreno perdido numa manobra tantas vezes ensaiada no passado, mas desta vez em contra-ciclo com a situação que se vive neste momento em que os ditames da complexa e difícil conjuntura lhe impunham uma política mais conservadora e retractiva. Trata-se pois de um enormíssimo bluff que só por ironia do destino ou algo mais, não virá a transformar-se num embuste de grandes dimensões.

Tem feito confusão a muita gente como é que o FC Porto que para variar tinha ordenados em atraso e precisa desesperadamente de realizar capital para fazer face à sua tão debilitada tesouraria, tem vindo a reapetrechar o plantel cuja espinha dorsal já se foi. Igual estranheza tem surgido com o facto de, contrariamente àquilo que era a imagem de marca pintista, desta vez compete ao seu nóvel treinador Lopetegui escolher os alvos e indicá-los ora para aquisição ora para empréstimo, para tentar impor a concepção de jogo que idealizou no seu novo desafio no clube do Dragão.

Com o crédito bancário restringido e não constando que o FC Porto se tenha transformado de súbito num novo excêntrico do Euromilhões, as explicações para esse súbito desafogo financeiro com o consequente ataque ao mercado teriam que ser encontradas nalgum lado. Embora a conta-gotas elas vão timidamente surgindo e apontam para pazes feitas com o santo-milagreiro Jorge Mendes que estão dar alguns frutos em que a generosidade deste está a funcionar como entidade para-bancária com períodos de carência de juros mas com a possibilidade fortíssima de realização antecipada de capital em função das possibilidades que o mercado concede especialmente a quem nele se movimenta com a destreza de Mendes.

Como reportado anteriormente, os 30 Milhões que o super-empresário emprestou aos portistas serão para ser liquidados apenas quando os jogadores forem vendidos. Como aliás pagaram já o adiantamento que Mendes fez para liquidar os salários em atraso que existiam no futebol e nas modalidades amadoras. No entanto, assinale-se, não foram todos regularizados e alguns, em função do seu comportamento ou da sua importância estratégica, ficaram de fora. Rolando foi um dos que teve a coragem de dizê-lo alto e bom som.

É sabido que nos tempos que correm grande parte da comunicação social não é independente e está enfeudada a vários interesses que não são certamente os dos seus ouvintes e leitores. Os media e a sua propaganda contam as estórias de tal modo que as pessoas mal informadas e não atentas ao que realmente se passa, ficam com a ideia de que o Benfica apenas vende os melhores jogadores e o FC Porto apenas compra bons jogadores. Tem sido uma mensagem que tem passado com sucesso e, para comprovar isso, refiro ter pessoas no meu círculo familiar totalmente alheias ao fenómeno desportivo que me têm questionado sobre isso.

Existe uma clara e evidente intenção dessa máquina de propaganda de enraízar no espírito das pessoas, adeptos ou não, a ideia de que os portistas se estão a reforçar muito e bem e o Benfica caminha para o total descalabro, sendo levadas a pensar erradamente que as vendas advêm da má condição financeira do clube quando o que se passa é exactamente o contrário. Num observa-se uma desesperada fuga para a frente enquanto no outro há uma séria preocupação em diminuir o passivo. Penso que isso mostra bem como os media funcionam em Portugal e a mando de quem estão. Não é certamente por acaso que para alguns dos analistas da coisa desportiva o campeonato já está decidido com o FC Porto a conquistar o 10.º título no século XXI… As contas, como é hábito, fazem-se no fim, mas é no presente que os benfiquistas são chamados a desmistificar essa mentira monumental!






Bookmark and Share