Ponto Vermelho
Uma outra visão dos bastidores do futebol-III
5 de Agosto de 2014
Partilhar no Facebook

Por EagleView

Concluo hoje a divulgação da entrevista que o actual Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Liga de Clubes do Futebol Profissional (vulgo Liga Portugal ) Carlos Deus Pereira (CDP), concedeu ao jornalista Carlos Rias do diário desportivo A Bola. Nesta última parte, CDP aborda, segundo a sua perspectiva, a natureza das pessoas que gravitam em volta da Liga e que obviamente pretendem tomar o ser controlo, utilizando os mesmos argumentos que lhe permitiram dominar o futebol portoguês em toda a linha. A expressão que utilizou «Essa gente é muito perigosa» é, do meu ponto de vista, deveras elucidativa.

No seguimento, questiona Carlos Rias: - E qual é a segunda conclusão?
CDP: - É a de que eu sou do Benfica. E hei-de morrer a ser do Benfica, mas sei que enquanto presidente da Mesa da AG da Liga não fiz nada para prejudicar outros clubes. Lutarei sempre é contra as trevas. Como as coisas caminham, o Benfica vai ficar mais dez anos sem ganhar nada, ao Sporting vai suceder o mesmo, a Benfica TV acaba e volta o império. E quem não quiser entrar no sistema e na roleta, quando puser o pé no risco vai imediatamente para o assador. No futebol eu conheço-os a todos, um a um e não admito sequer que me comparem ou misturem com indivíduos que são corruptos, condenados por corrupção activa, e que andam a bater no peito a apregoar moralidade e a dizer mal de todos os outros que não navegam nessas trevas. Essa gente é muito perigosa! E finalizando: neste momento sou presidente da Mesa da AG da Liga e vou cumprir com aquilo que devo fazer. Regozijo-me com isto, pois com a sua decisão o CJ reconhece-me capacidade para liderar o processo eleitoral, já que me recolocou no meu antigo lugar. Afirmações, sem dúvida, muito contundentes!

Nova questão de CR - A Liga vai interpor uma providência cautelar?
CDP: - A interpor será uma suspensão do acto administrativo. E se assim for, depois logo se verá, porque vai haver a tal parada e resposta. Não quero entrar nisso, mas acredito que vai acontecer.
CR - E Fernando Seara? Estará nas próximas eleições para a Liga?
CDP: - Fernando Seara? Não o conhecia, vi-o e ouvi-o na BOLA TV a defender com unhas e dentes o senhor Joaquim Oliveira e a Olivedesportos, sempre contra a centralização dos direitos televisivos. Enquanto benfiquista, se um dia estiver a ver um jogo do Benfica e Fernando Seara estiver por perto, levanto-me e vou-me embora. Gosto muito de ir à Luz ver o Benfica, mas há coisas que me atiram ao ar. Se ainda fosse jogador de futebol e se dentro das quatro linhas apanhasse essa gente pela frente, arrancava-os pela raiz, mas como já não é possível...

Agora sobre Rui Alves sobre o qual o CJ ainda não se pronunciou:
CR - Outro candidato, Rui Alves, disse publicamente que Fernando Seara foi afastado das eleições «a troco de uma oferta de emprego a alguém». E diz que sabe quem ofereceu esse emprego e a quem...
CDP: - Se ele sabe, que o diga! Não sei a quem se refere. A diferença entre essas pessoas e a minha é que eles falam por meias-palavras e eu digo logo as coisas na cara. Eles são do tamanho um do outro... Desafio-os a dizerem-no e na hora. Digam logo que é para eu explicar o que sei. Quem está desempregado é Fernando Seara, não sou eu, que tenho bom emprego, felizmente. Os clubes têm medo deles, mas eu não tenho!

Nova questão de CR - Acusa o relator do acórdão, Sampaio e Nora, de procedimento «pouco ético». E explica a razão dessa opinião:
CDP: -«Não vou insinuar, vou relatar factos. Cada um retirará as conclusões que entender. E vou por partes, começo pela escolha do relator do acórdão, José Sampaio e Nora. Ele é de uma família ilustre de Coimbra, que tive a honra de conhecer há muito, conhecimento aprofundado com os anos por via da minha amizade com o filho José Miguel Sampaio e Nora. Juntávamo-nos no Algarve, já o representei, como advogado, em processo que decorreu no Algarve e o próprio José Miguel me pediu para fazer uma parceria entre escritórios. Conhecendo como conheço estas pessoas, suponho que Sampaio e Nora teve dificuldade em escrever o acórdão tal como está escrito. Ele devia ter pedido escusa enquanto relator. O filho, José Miguel, saiu da Liga porque Mário Figueiredo entendeu que ele não servia para o cargo que ocupava. Não sei os motivos, isso não passou por mim. Sei é que foi estigmatizado um ódio de morte da família Sampaio e Nora ao presidente da Liga, Mário Figueiredo. É manifestamente pouco ou nada ético Sampaio e Nora ser relator, é por isso mesmo que acabo de relatar. Ele devia ter pedido escusa».

Ao longo dos três artigos da entrevista, ficaram bem expressas as opiniões que o actual Presidente da MAG da Liga de Clubes manifestou às questões que o jornalista Carlos Rias de A Bola entendeu por bem colocar, para que se conhecesse a versão na primeira pessoa depois de tantas acusações e maledicências que são apanágio no futebol e na sociedade portuguesa. Aqui, para variar, não escaparam os problemas de índole familiar, o que deixa no ar, inevitavelmente, se o relator indicado seria a pessoa mais indicada para o trabalho. Não porque ponha em causa a sua capacidade e idoneidade, mas porque se me afigura estar perante um nítido conflito de interesses. Em face disso cada um pode concluir como muito bem entender!








Bookmark and Share