Ponto Vermelho
Mixórdia
29 de Outubro de 2014
Partilhar no Facebook

Com lugar cativo nas atenções e destaque nos media, o Benfica é naturalmente fruto das mais desencontradas análises e opiniões. Nelas podemos encontrar os críticos naturais digamos assim, e os que por deformação clubística ou interesses mais ou menos obscuros se afadigam na procura de aspectos ou situações em que possam pegar para tentativas contínuas de desestabilização do clube. Sendo um facto por demais corriqueiro nos tempos que correm, há que percebé-los e combatê-los sempre que ultrapassem os padrões tidos por aceitáveis.

As redes sociais tão detestadas por alguns e onde os adeptos com uma componente acentuada de juventude se exprimem livremente com os exageros próprios que extravasam muitas vezes aquilo que se deveria pautar por discussões normais ainda que acaloradas sobre este ou aquele tema da actualidade, são curiosa e paradoxalmente uma fonte previlegiada de informações para alguns plumitivos que aí encontram por vezes a fonte de inspiração de que necessitam para a sua faina regular. Porque amiúde reflectem o pulsar dos adeptos sobre as diversas vertentes do clube, sendo de facto um dos sítios adequados para quem pretenda lançar a confusão, pois os bitaites, opiniões ou comentários são uma mixórdia de sentimentos não só dos adeptos mas também de interesses alheios representados pela panóplia de infiltrados que fazem por representar por vezes bem o seu papel.

É uma consequência evolutiva dos tempos de hoje onde há muito a batalha da informação assume particular relevância, pois quem comunicar melhor está em vantagem pois consegue fazer chegar a sua mensagem de forma mais objectiva aos diversos destinatários desde os adeptos, agentes do futebol e opinião pública em geral. Esse aspecto, até há algum tempo atrás assentava em veículos de divulgação mais restrictos, mas de há uns tempos a esta parte tudo mudou radicalmente com a proliferação de canais próprios nas várias áreas informativas que divulgam as múltiplas actividades do clube, seja a que nível for. É gratificante observar, por exemplo, transmissões das modalidades a nível de todos os escalões, com uma diversidade e impacto só possível devido ao aparecimento da BTV.

Mas como é óbvio, os aspectos relacionados com o futebol enquanto mola real do clube atingem níveis de abordagem constantes e diários. Porque, do mesmo modo, os vários órgãos de informação avançaram igualmente pelo mesmo caminho o que lhes permite debitar notícias, opiniões e comentários em permanência, o que obriga a que os canais de informação do clube tenham que estar permanentemente atentos. E não nos referimos só aos habituais canais mas a toda a estrutura. Do mesmo modo, que em qualquer informação veiculada por seja qual for o membro da estrutura, deve ter em conta que está a falar em nome do clube e não apenas e só em nome pessoal. Pode parecer irrelevante mas por vezes há distracções…

Nesse particular pelo impacto e pela dinâmica do tema futebol, a frequência com que o treinador é chamado a abordar aspectos da actualidade da equipa é constante e, como tal, a margem de erro pode aumentar de forma exponencial. Sobretudo porque as barragens de fogo pouco amigo são normais (basta ver as conferências de imprensa), e quase obrigam o treinador do Benfica (seja ele qual for) a possuir características e dotes linguísticos especiais. Uma frase ou uma expressão menos bem construída ou até um simples desabafo, dá logo azo a interpretações dúbias ou isolamentos do contexto que podem desde logo provocar especulações e servir de arma de arremesso em futuras ocasiões. Contra o treinador e por extensão contra o clube.

Estando muito longe de ser um caso único embora seja constantemente referido como tal, é um facto que o treinador encarnado usa uma linguagem muito peculiar para exprimir os seus pontos de vista. Concordemos ou não com o seu teor, admitimos genuinidade na forma como aborda os temas diríamos até demasiada sinceridade, que é aproveitada muito para além do limite razoável, pois por norma discute-se por demais os aspectos laterais do que o verdadeiro conteúdo das suas ideias. É certo que com maior frequência do que seria desejável Jorge Jesus usa argumentos que acabam por se virar contra si próprio e numa perspectiva mais lata contra o Benfica, mas não se podendo mudar o Mundo haveria que suavizar esses impactos negativos. Todavia, depois de uma mão cheia de anos a acontecer, é certamente tarde demais para emendar a mão…








Bookmark and Share