Ponto Vermelho
Revolução vermelha?
26 de Novembro de 2014
Partilhar no Facebook

Foi muito interessante e positiva a 4ª jornada da Fase de Grupos da Liga dos Campeões onde as três equipas portuguesas presentes registaram um pleno de vitórias o que convenhamos, é muito pouco habitual. Mas concluídos que estão 2/3 da 5ª e penúltima, constata-se que se mantem a tendência integralmente positiva com mais 2 vitórias do FC Porto e Sporting. Falta apenas o Benfica que não tardará muito entrará animado e convicto da vitória no relvado gelado de S.Petersburgo. Seria oiro sobre o azul todas as equipas portuguesas em prova registarem, em mais uma jornada, 100% de êxitos.

Apesar de terem sido resultados dentro da normalidade esperada tendo em conta a fragilidade dos opositores, não seria a primeira vez que as equipas favoritas não conseguiriam atingir o objectivo mais coerente e mais lógico. O FC Porto confirmou o 1.º lugar no Grupo e o Sporting abriu uma porta de esperança que poderá ser concretizável ou não, dependendo do resultado do Schalke 04 em Maribor na última jornada, e de saber se o Chelsea já apurado, estará pelos ajustes de colaborar no apuramento leonino. A rever com interesse.

Os juniores encarnados (líderes destacados do respectivo Grupo da competição paralela) ao sofrerem uma mão cheia de golos na etapa complementar contra o Zenit constituem desde logo um exemplo e um aviso de que factores laterais como as condições climatéricas e a dureza do relvado poderão ter uma influência decisiva no desenrolar do desafio. É certo que já tinhamos ficado mais descansados com a informação de Jorge Jesus de que não seria o frio que serviria de desculpa para um eventual inêxito encarnado mas, por muito que a equipa esteja avisada e por mais precauções que venham a ser tomadas, não é indiferente jogar nas condições adversas que se esperam quando o desafio se iniciar.

De facto, a avaliar pelas palavras dos vários intervenientes a começar pelo treinador, é indiscutível que todos estão cientes da importância do desafio. Os próximos 90 minutos por mais que se queira divagar, são absolutamente decisivos no futuro próximo da equipa do Benfica e não apenas e só na Liga dos Campeões pois, dependendo das circunstâncias que se vierem a verificar, está longe de estar excluída a possibilidade dos encarnados se despedirem da Europa nesta época o que não deixaria de constituir um duro revés na afirmação contínua que a equipa tem registado nas últimas temporadas. Para além de, eventualmente no campo anímico, vir a afectar as próprias competições internas. Depois porque na altura das conclusões tudo se esquecerá inclusivamente que o Benfica, ao contrário dos seus dois rivais internos, estava inserido num grupo deveras difícil…

Não restam por isso alternativas compreensíveis perante os adeptos, senão lutar pela vitória para poder manter viva a chama da esperança de apuramento para os oitavos. Simplesmente do outro lado está uma equipa que navega nas mesmas circunstâncias e tem responsabilidades acrescidas do ponto de vista da sua Direcção, dos seus patrocinadores e dos seus adeptos, motivadas pela contratação de valores sonantes do futebol europeu e mundial para atingirem um patamar mais consentâneo com os valores do investimento efectuado.

Como se isso não bastasse, os resultados após um período que decorreu de harmonia com as expectativas criadas começaram a resvalar para índices que têm motivado preocupação, e todos esses factores estarão presentes no desafio de hoje. Quando existem vários jogadores da estirpe que preenche a equipa do Zenit, teremos que ter sempre presente que a qualquer momento se pode soltar a sua categoria indiscutível o que pode aumentar o grau de dificuldades que o Benfica terá que enfrentar.

Todavia, o Benfica já demonstrou por inúmeras vezes que também alberga no seu seio jogadores de enorme categoria e que, se inspirados, podem resolver um desafio a qualquer momento e em qualquer lado. Mesmo perante equipas cujo potencial se enquadra na gama média-alta. Será pois um jogo de carácter decisivo para qualquer delas e isso pode conduzir a um jogo eminentemente táctico, em que ambos fiquem a aguardar eventuais erros do adversário para poder desferir o golpe fatal.

O Benfica sabe isso com certeza pelo que não deixará de colocar em campo toda a sua gama de recursos na convicção de que é possível chegar ao fim na posição de vencedor para assim se manter na corrida pelo apuramento. Levando em linha de conta o que está em jogo, é um desafio que se aguarda com imensa expectativa e na firme crença que todas as equipas portuguesas repetirão no final da 5.ª jornada a dose registada na anterior. Seria de facto muito positivo!




Bookmark and Share