Ponto Vermelho
Jogos de poder e de manipulação…
2 de Dezembro de 2014
Partilhar no Facebook

Por EagleView

Todos já sabemos como isto funciona: os 'media' atropelam-se para conseguir obter o 1.º lugar do pódio da especulação e assim, 2 semanas antes, enquanto decorrem duas jornadas que ainda ninguém sabe como vão acabar, estão já a promover a campanha para o jogo do Dragão do dia 14. Sintomático mas verdadeiro! Isto não acontece por acaso. O Departamento de Rui Cerqueira que ultimamente tem andado 'desaparecido em combate' certamente devotado a nobres causas como é, aliás, apanágio do reino do Dragão, tem vindo a tecer uma teia de forma subtil no sentido de deslocar o epicentro para o Dragão, introduzindo novos dados na discussão sobre os malefícios da saída do Benfica da Europa e tentando fomentar pressão sobre as águias para um jogo que consideram de capital importância.

É que, admitindo que a lógica funcionará sem interrupção (o que não é certo e muito menos seguro), o Benfica chegará ao Dragão com 3 pontos de vantagem e em caso de não conseguir vencer, o FC Porto não ficará bem na fotografia depois do brutal investimento no plantel para esta época que conforme já assinalado, aumentou em 54% a folha salarial portista. Nada de transcendente se considerarmos que em tempo de prejuízos continuados, a Administração da SAD portista tem sido contemplada com assinaláveis prémios de desempenho…

Compreendo assim, sem qualquer esforço, o estado de espírito pintista e para isso foi montada toda esta campanha de diversão cujo ónus era suposto recair sobre o Benfica, desde os efeitos devastadores da eliminação europeia, passando pela 'obrigatoriedade' de venda de jogadores em Janeiro e acabando na posição alegadamente periclitante do treinador Jorge Jesus perante os adeptos. Um prato supostamente atractivo e suculento para ser degustado pelos crédulos e ingénuos cujos ingredientes estão muito longe de poderem ser considerados biológicos…

Não lhes ficam atrás os nossos vizinhos que continuam a ser afectados pelo complexo do anti-benfiquismo primário. Andam também muito nervosos como se pode inferir dos comentários dos seus apaniguados. Nem o esforço para parecerem irónicos sobre a 'aliança' espúria para empolar o descontentamento dos adeptos benfiquistas mais atreitos, refuta a tese do ódio recalcado que se mantem imutável nas suas mentes formatadas para a rejeição de tudo o que seja benfiquista, sedimentado nas últimas décadas quando se deixaram subjugar pelo canto pintista que os conduziu a uma das mais graves crises da história.

Também nesse domínio não me causa espanto que alguns opinadores aparentados com o Benfica, ao quererem demonstrar a sua 'independência' – caso, por exemplo de David Borges –, se transformem em agitadores de consciências como se a sua verdade fosse única e universal e, enquanto tal, a ser seguida sem pestanejar pelos benfiquistas. Dando crédito à sua sapiência, o caminho a seguir deveria ter sido uma contestação firme e resoluta a Jorge Jesus, protagonizada pelo Presidente e basicamente pela massa anónima. Boa tentativa… Mas nem tudo se perdeu com o vento, pois o 'habitué' António Figueiredo 'ressuscitou' com os mesmos argumentos de tempos idos que acabariam por desembocar numa temporada (quase) épica.

Nesse quadro, têm sido deveras 'interessantes' as 'análises-cliché' dos programas subsequentes protagonizadas por opinadores com necessidade de justificar a razão da sua presença. São desvalorizados ou até mesmo ignorados os erros e os falhanços dos jogadores vs treinadores, mas empolados até à exaustão os de arbitragem. Uma desproporção injustificada se atendermos a que o trio B-S-P, foi favorecido ainda que não exactamente nas mesmas circunstâncias. Mas aí temos que atribuir demérito aqueles que permitem que os outros falem mais alto, ainda que saibamos que a desproporção (2-1) se mantem, apesar do tão ventilado 'orgulhosamente sós' leonino.

Enfatizar o fora-de-jogo de Luisão que até nem sequer beneficiou da posição inicial para introduzir a bola na baliza da Académica (falha clamorosa do guarda-redes) quando o Benfica já ganhava por 1-0, não é rigorosamente a mesma coisa que anular um lance de golo eminente dos 'estudantes'. Mas se quisermos 'entrar na mesma onda', é completamente diferente do 'livre-bitoque em Alvalade que permitiu ao Sporting abrir o activo, ou de um 'penalty' do tamanho da Torre dos Clérigos no Dragão contra o FCP quando o Rio Ave estava na mó de cima e o resultado era tangencial para os portistas.

Esta roda-viva não ficou no entanto por aí. O FCP apesar de ter mais dois dias de descanso que o Rio Ave, produziu uma exibição descolorida apesar da goleada enganadora final. Teve dificuldades e teria sido oportuno que a Liga não tivesse permitido que os vilacondenses jogassem com menos de 72 horas de descanso após uma viagem sempre desgastante ao norte da Europa. São estes 'pequenos-nadas' que desvirtuam a competição e a verdadeira essência da verdade desportiva. Mas isso nem notas de rodapé mereceu…

Bem sabemos que a coerência tem, muitas vezes, dificuldade em encontrar sinónimos. Tenho presente que o presidente do Rio Ave se queixou de um 'off-side' correctamente assinalado pelo fiscal de linha no jogo da Luz quando o Benfica ganhava por 1-0 porque, segundo ele, o juíz de linha não estava em posição de o ajuizar em virtude da sua posição. Mas ontem, curiosamente quando tinha abundantes motivos para se queixar, António Silva Campos não o fez. E se houve casos!
1. O lance do 1.º golo portista é precedido de falta de Jackson sobre Marcelo. A bola chega a Tello que marca;
2. Dois minutos depois, Zeegelar entra na área portista e é derrubado pelo Danilo. Penalidade que ficou por marcar e consequente amarelo;
3. Cinco minutos depois, num canto, Herrera desvia a bola com as mãos. Outro pénalti e consequente amarelo.
4. Casemiro empurra com violência sem bola um jogador do Rio Ave que cai na área. ‘Penalty’, 2º amarelo e consequente expulsão;
5. Brahimi, já fora de campo e com o jogo interrompido, pontapeia um jogador do Rio Ave que cai. Falta para amarelo ou vermelho se fosse considerado agressão
Todos estes casos foram visíveis através da imprensa. Não o foram no entanto nos resumos da 'televisão do regime' e sabemos bem porquê!

PS. 1 - Os 'flops' do FCP, a juntar a Moutinho, Hulk, Alvaro Pereira, Quaresma, etc, etc, tudo jogadores vendidos por muitos milhões. A "amarelinha" do Póvoas tem destas consequências. Tendo acabado o ano passado em virtude das análises da UEFA, as diferenças notam-se!
PS. 2 –'Just for information', o 'Daily Mail' escreveu o seguinte sobre a transferência do Mangala e o 'flop' que tem sido no Man. City depois de ter sido transferido por 40M!!!:
"There should be an investigation by the Fraud Office into how this guy cost 32M pounds. Unforgivable to pay this amount. It seems impossible on the evidence so far".


Bookmark and Share