Ponto Vermelho
Opção algo arriscada…
9 de Dezembro de 2014
Partilhar no Facebook

1. Numa semana em que se regista de novo o regresso à Europa para o adeus definitivo dos encarnados, dá-se a coincidência de haver no Domingo a disputa de um dos principais clássicos no Dragão que não sendo de forma nenhuma decisivo para qualquer das equipas, pode ainda assim representar um marco significativo e ter consequências muito para além do resultado final seja ele qual for. A menos que haja empate deixando praticamente tudo na mesma…

2. Como seria previsível e abastardando os novos princípios de que há que pensar num jogo de cada vez ou ainda na expressão actualmente muito em voga de que o próximo jogo é sempre o mais importante, o encontro há muito mexe na cabeça das equipas técnicas e está enraízado no espírito dos jogadores, pairando como uma sombra e podendo quiçá limitar ainda que involuntariamente o seu desempenho nos jogos antecedentes. Como é compreensível, ninguém quer desbaratar energias e deixar de dizer presente num jogo desta natureza e importância.

3. Pelo que se tem obervado o campeonato é a prioridade das prioridades para ambos os emblemas, mas enquanto o FC Porto tem gerido as suas aspirações na Liga dos Campeões num grupo feito à sua medida e ambição e mantem intacto o seu objectivo do título, o Benfica por razões já suficientemente escalpelizadas só pode continuar a explorar esta última possibilidade dado que já hipotecou na jornada anterior todas as hipóteses na Europa que o tornou mundialmente conhecido.

4. Mantendo uma coerência digna de nota desde o primeiro instante na atitude e no comportamento perante o desafio europeu da Champions, Jorge Jesus, por força das circunstâncias, tornou o discurso mais incisivo e pragmático nas vésperas de ser decidido o futuro do Benfica em S. Petersburgo. Todavia, essa confluência com o objectivo foi inglória e terá chegado demasiado tarde. Os apuramentos começam a ganhar forma desde que é efectuado o sorteio e não quando já sucederam resultados que deitam (quase) tudo a perder. Repetimos a ideia de que a despeito do grupo ser equilibrado o Benfica dispunha de todas as condições para seguir em frente sem prejuízo de manter vivo o objectivo que definiu como primordial – a revalidação do título nacional. Porque a época estava ainda muito longe de ser conclusiva.

5. O jogo que logo à noite terá os alemães do Bayer Leverkusen como opositores acaba por reflectir essa abordagem algo desfocada desde o princípio. Quando iremos defrontar um adversário que nos reduziu à vulgaridade em sua casa no jogo a primeira mão e quando está em jogo a módica quantia de um milhão de euros em tempo de vacas magras das tesourarias, a convicção que se desenha é a de encarar o jogo como um simples compromisso a que não poderemos fugir. Perspectiva-se assim, a ideia de que iremos ver evoluir sobre o relvado da Luz jogadores que têm andado arredados das convocatórias e a quem têm sido concedidas poucas ou nenhumas oportunidades. Atendendo à conjugação de lesionados, castigados e às opções técnicas de poupança, não se poderão esperar grandes performances por ausência de habituação competitiva entre a maioria dos que irão ser titulares.

6. Considerando que a opção está tomada por quem de direito sem direito a retrocesso, resta acreditar que os jogadores que se apresentarão a jogo, apesar de algumas limitações, saberão estar à altura da situação, considerando que irão defrontar uma equipa forte da escola alemã que não pode perder sob pena de arriscar o primeiro lugar do Grupo que pode fazer uma enorme diferença no sorteio dos oitavos de final que imediatamente se seguirá.

7. Sendo que para o Benfica qualquer que seja o resultado não influirá na sua classificação final no Grupo, o prémio em disputa e sobretudo o prestígio que não saiu de forma nenhuma reforçado depois desta participação insuficiente na prova deste ano, exigem uma despedida e uma atitude competitiva à altura das tradições do Benfica na Europa. Para além disso, fazemos votos para que tenha sido uma opção técnica acertada tendo em conta a motivação subjacente que a determinou. Domingo, ver-se-á, em definitivo, se valeu realmente a pena…






Bookmark and Share