Ponto Vermelho
Viagem ao “Bas Fond” do doping portista-V
20 de Dezembro de 2014
Partilhar no Facebook

Por EagleView

Voltemos ainda ao jogador Emerson e observemos o que lhe aconteceu. Sem dúvida interessante:
6. "Semedo saiu posteriormente para o Salgueiros clube que representou ainda durante 3 anos e o já referido Emerson transferiu-se para o clube inglês Middlesbrough a troco de alguns milhões de Euros".
"Na 1ª época ainda foi titular da equipa, mas aos poucos a amarelinha que tanto sucesso tinha causado foi-se esfumando e aquele que parecia ser um jogador de topo começou gradualmente a transformar-se num jogador banal, tendo no ano seguinte sido transferido para o humilde Tenerife de Espanha onde ficou por 3 épocas, indo depois parar ao Deportivo onde jogou durante 2 anos. De seguida foi transferido para o At. de Madrid de onde foi dispensado no ano seguinte com guia de marcha para o Rangers onde fez apenas 2 jogos para, a meio do ano, seguir para o Vasco da Gama onde não fez um único jogo, acabando posteriormente por terminar a carreira no modesto Madureira do Rio de Janeiro, cidade que o viu nascer. Assim, de autênticos 'pés de chumbo' e jogadores vulgares se fabricam jogadores 'bomba', que assim que saem do FC Porto para outros clubes se transformam em jogadores banais e sem qualidade"...

O crime foi continuando a compensar para aqueles lados já que nem UEFA nem o Laboratório Anti-dopagem nacional nada queriam com aquela gente que tem como cientista o já conhecido e famoso Dr. Póvoas e a sua 'amarelinha' e que conseguiu colocar no seio do controlo anti-dopagem da UEFA um "tal" Domingos Gomes que durante anos a fio foi o responsável pelo laboratório de 'amarelinha' das Antas. Podia continuar mas penso que já todos ficámos esclarecidos. Na minha muito modesta opinião todos, mas todos mesmo, troféus internacionais do FC Porto foram ganhos com a ajuda do doping. E já não estou a falar dos campeonatos e taças em Portugal. O FC Porto não passava de um enorme bluff!!

O júnior Moreira. (2001). O avançado Moreira, jogador dos júniores do FC Porto encontrava-se suspenso de toda a actividade desportiva, apesar de continuar a trabalhar com a equipa B dos dragões. O atleta acusou a utilização de uma substância proibida a Furosemida, que integra a lista de produtos que não podem ser ingeridos por atletas de alta competição. O jovem Moreira, estava suspenso após a realização da partida Belenenses-FC Porto relativa à fase final do Campeonato Nacional de Júniores por ter acusado positivo num controlo antidoping. Nelson Puga, médico do clube garantiu que o atleta foi submetido a um inquérito do foro interno do clube. No entanto o médico adiantou que acreditava na "inocência do jogador" e que "ninguém lhe administrou essa substância, tratavam-se apenas de vestígios", pelo que era possível que tivesse havido contaminação. Posteriormente Nelson Puga disse que "a Furosemida era uma substância proibida mas não dopante. A Furosemida “ é um diurético que serve apenas para baixar a tensão arterial e, muito importante, baixa o rendimento de um atleta profissional"! Como se sabe isto não corresponde à verdade…

Moreira e Hélder Postiga formavam uma dupla temível no ataque dos jovens dragões que viriam a conquistar o título nacional da categoria. Ambos subiram à equipa B do FC Porto a par de nomes como Ricardo Costa, Bruno Alves e Tonel. O jovem Moreira marcava golos como se não houvesse amanhã. De repente num controlo anti-doping Moreira acusa positivo. É suspenso por 6 meses. Na altura treinava com o plantel principal e tinha um futuro promissor à sua frente.
"Olhando para o meu passado claro que me entristece a situação. Na altura marcou-me bastante. Ainda por cima sabendo que estou inocente. Calhou ser sorteado para o controlo. Eu apanhei seis meses enquanto ao colega que estava comigo não aconteceu nada. Enfim, o melhor é não falar sobre este assunto. Talvez mais tarde fale". Mas nunca mais falou.

Emanuel Garcia, (2005). O jogador do FC Porto, Emanuel Garcia, foi também castigado com 6 meses de suspensão pelo CD da FPF na sequência do processo de que foi alvo devido a um resultado positivo num controlo anti-doping realizado após o jogo FC Porto-Benfica. O CNAD como não tinha competência teve de aplicar a pena mínima que era de 6 meses, disse José Maria Gomes Leitão, presidente do CNAD da FPF.

Doping nos júniores? (2007). 5.07.2007: Os portistas Rui Pedro e Fábio Pereira foram suspensos preventivamente porque, no final de um jogo entre o Benfica e FC Porto no dia 5 de Maio a contar para o Campeonato Nacional de Júniores foram ao balneário antes de comparecerem atrasados, ao controlo anti-doping, situação proibida pelos regulamentos antidopagem. (…)


















Bookmark and Share