Ponto Vermelho
Um homem do Presidente!
27 de Dezembro de 2014
Partilhar no Facebook

«Marco Silva é o rosto de um polvo que tenta asfixiar o SCP de Bruno de Carvalho.»-José Eduardo-Empresário e antigo jogador do Sporting ‘In’ Jornal A Bola” de hoje. Foi com este tipo de expressões violentas que o antigo jogador do Sporting conhecido pela sua pureza nos relvados (Jordão por exemplo que o diga…), acusa o actual treinador do Sporting de Bruno de Carvalho de fazer parte de uma gigantesca cabala que tem como objectivo principal não deixar o Sporting progredir rumo ao futuro. Se a frase acima bem como outras de idêntico jaez que fazem parte de uma estratégia apressada de legitimação presidencial têm muito, pouco ou nada de verdadeiro, ver-se-á em devido tempo em tribunal pois uma ofensiva desta magnitude não pode passar despercebida e ficar a pairar no ar como se de uma nuvem de poeira se tratasse.

É compreensível que face ao avolumar de críticas e mau estar no interior profundo do universo Sporting as posições tenham tendência a extremar-se. De um lado parece cada vez mais emergir um aspirante a ditador que acredita piamente que só existe uma verdade – a sua – que se apressa a ser confirmada por conselheiros do género de José Eduardo que, à luz dos seus próprios interesses não gostam nem lhes interessa contrariar o presidente que só querem ver feliz, e do outro que engrossa paulatinamente todos os dias dos que, não deixando de reconhecer mérito a Bruno de Carvalho na fase aguda da reestruturação e do chutar para a frente da dívida leonina, começaram desde logo a perceber que, mais cedo ou mais tarde, iriam assistir à habitual instabilidade mas desta vez potenciada a um grau de muito superior dimensão.

A própria imprensa na sua grande maioria que nunca regateou créditos a Bruno de Carvalho em toda a sua primeira fase de mandato, começou ainda que lentamente a mudar as agulhas nos seus juízos e apreciações tal a sucessão de disparates e munições de pólvora seca deflagradas, e que têm feito parte em vagas sucessivas da agenda bélica do presidente leonino. Afinal, começa a ser reconhecido cada vez com maior amplitude, que D. Quixote em comparação com Bruno de Carvalho era apenas um amador, porque nunca em tão curto espaço de tempo foram criadas tantas guerras contra inimigos inexistentes. Um fartote!

Quem sofre com tudo isto é o Sporting que deu mostras no início do consulado de Carvalho que se preparava para retomar lenta mas seguramente o seu legado na história. Sol fugaz como se está a ver, pois a continuar assim, o Sporting arrisca-se a regressar aos bons velhos tempos de constante instabilidade e guerrilha que mantinham o clube em patamares nada condizentes com o seu passado e a ter que lutar, de forma permanente, contra o seu próprio destino. Neste momento é natural que os adeptos e simpatizantes leoninos se interroguem sobre as razões de mais uma situação igual a tantas outras ocorridas nos últimos tempos, mas francamente visto do lado de fora é manifestamente difícil acreditar que o grande culpado de mais uma crise leonina seja o treinador que, qual Cavalo de Tróia, entrou no Sporting para o destruir como defende o conselheiro leonino José Eduardo certamente a seguir o guião previamente encomendado. Não foi por acaso que teve a honra de ser um dos dois sportinguistas elogiados em mais uma vaga de declarações do presidente leonino que furaram o blackout informativo da estrutura por ele próprio determinado.

Estando as posições extremadas em grande parte por falta de maturidade, de experiência e de bom senso presidencial, parece evidente para (quase) todos que a continuação de Marco Silva à frente dos destinos da equipa principal do Sporting tem os dias contados, restando saber até quando é que o treinador consegue aguentar os constantes despautérios e atropelos vindos do presidente. Os dados estão lançados e todos os sinais apontam para um desenlace inevitável. Parece ter havido uma inflexão momentânea na estratégia com a adopção de uma táctica de desgaste à espera que Marco Silva bata com a porta para assim ser possível negociar numa posição mais favorável. A ver vamos o que vai suceder mas, a consumar-se, depois de Jesualdo Ferreira, Leonardo Jardim e do próprio Marco Silva, quem se irá arriscar a seguir o mesmo caminho?










Bookmark and Share