Ponto Vermelho
Início de um novo ciclo
10 de Janeiro de 2015
Partilhar no Facebook

Não é novidade para ninguém que todos clubes enfrentam por vezes ciclos complicados, embora o destaque só seja por norma concedido aos maiores. Os menos poderosos que em determinadas alturas são chamados a defrontar sucessivamente os principais clubes do nosso futebol em ciclos terrivelmente complicados, raramente são citados porque a despeito de protagonizarem nalguns casos para além do futebol importantes funções sociais, poucos lhe reconhecem o mérito que justificam e lhe atribuem particular importância.

É a lei instituída que atira para o quase anonimato os pequenos clubes em detrimento dos grandes, situação que acontece afinal em todos os sectores e partes do Mundo. Se até na pacatez e na mediocridade cá do burgo apenas um único Ministério – o das Finanças – parece dispôr de alguns técnicos iluminados que justificam um generoso aumento por exercerem funções de grande complexidade (e nós a pensar que nesse grupo se incluam por exemplo os médicos, os cientistas ou os professores para só citar estas profissões…), porque carga de água os clubes que independentemente da sua dimensão bastas vezes se substituem ao Estado assumindo funções sociais que só a este caberia, deveriam merecer destaque?

O Benfica não corre esse risco para o bem e para o mal pois está, sem interrupções, na crista da onda em permanência. Nesta fase que atravessamos com mais uma abertura do mercado das transferências a decorrer para os saldos e não só, e em que se prepara para dar o pontapé de saída num ciclo que se afigura como complicado, aparte as dificuldades normais que qualquer equipa tem de enfrentar, debate-se como tem sido evidente e notório desde a temporada passada, com um leque alargado de lesões complicadas que têm afectado elementos nucleares e cuja recuperação se tem prolongado no tempo. E enquanto que na última época o plantel era muito mais extenso em opções de qualidade, na presente pelas razões que se conhecem as alternativas são na realidade mais escassas.

Logo à tarde inicia-se a primeira etapa desta nova fase sem que alguns lesionados de longa duração estejam ainda aptos para a competição, uma situação que tende ainda a arrastar-se por mais algum tempo. É pois com os que estão em condições que o Benfica terá de ir à luta frente ao actual 3.º classificado que muito tem surpreendido pela positiva pois para além da classificação prestigiante, até ao momento ainda não perdeu com qualquer dos grandes. Os mais variados encómios têm sido tecidos ao Vitória de Guimarães pela sua inesperada carreira até ao momento que está a surpreender até os seus próprios responsáveis, e isso faz com que o jogo possa vir a ter uma moldura de público bastante interessante, e se configure como o principal jogo da jornada.

Compete naturalmente ao Benfica na sua condição de líder destacado comandar as operações e perfilar-se, desde o início, como o principal candidato à vitória final a fim de manter bem viva a chama que o conduza ao seu maior desiderato – a conquista do bi-campeonato. Ninguém por isso em condições normais estará à espera de qualquer tipo de facilidades, quer pela trajectória que o Vitória vem registando desde o início do campeonato, quer pela própria carreira do Benfica que de há algum tempo a esta parte tem vivido em obras de forma consecutiva e permanente com exibições q.b. que têm dado azo aos mais desencontrados comentários da multidão de especialistas que pululam por aí…

Isso tem feito uma diferença evidente porquanto para além das saídas que se verificaram, as constantes alterações motivadas por lesões têm obrigado a novas apostas dificultando a criação e manutenção de um ritmo global que transmita à equipa a fluidez necessária desejada que nem sempre se tem verificado. Para este desafio mais uma vez tal ocorrerá, porque a juntar a castigos existem jogadores cuja presença ainda não é garantida neste momento. Seja como for os dados estão lançados e sejam quais forem os atletas que forem chamados à liça é de crer que tudo farão para ultrapassar mais um adversário que poderá vir a ser perigoso e manter assim a rotina dos êxitos e dos objectivos traçados.








Bookmark and Share