Ponto Vermelho
As Contas do Sporting 2013/14
5 de Fevereiro de 2015
Partilhar no Facebook

Por EagleView

As contas dos clubes e em particular dos três grandes, com mais ou menos informação, estão sempre na berlinda e servem normalmente como arma de arremesso dos rivais mesmo que uma boa parte dos que sobre elas se debruçam tenham uma vaga ideia do que estão a falar. Boa parte da imprensa não ajuda e navega nas mesmas águas obscuras pelo que as imensidões dos passivos são a pedra de toque para os objectivos que se pretendem atingir. Factos que duram há muito tempo e que, pelo andar da carruagem, continuarão sempre a estar em voga.

O Benfica como maior clube português é recorrentemente evocado com sendo o clube de maior passivo mas, estrategicamente omite-se o que lhe deu origem, a estrutura do mesmo, se estamos ou não a falar de investimentos reprodutivos, se o serviço da dívida é ou não comportável com as receitas obtidas, e se alguma vez houve incumprimento das obrigações daí recorrentes. Por outro lado, esquece-se que o passivo tem a contrapartida do activo, e que a actividade de um clube como o Benfica apesar do forte peso do futebol, não se circunscreve nem se extingue apenas e só naquela componente. Como determina a sua matriz e como tem vindo a ser demonstrado, o Benfica é muito mais do que um clube de futebol e isso faz necessariamente toda a diferença para efeitos de análise.

Será, por exemplo, que a equipa B do Sporting irá fechar para obras? Tudo aponta para isso. Será por isto?
Na última AG do Sporting foram aprovados os resultados de 2013/14:
Total do Activo: - 174,2 M de €
Fundos de Capital: - 259,4 M de € negativos
Passivo Total: - 433,6 M € do qual o Passivo Financeiro (Bancos) é:
Não corrente: - 147,7 M de €; Corrente: - 154,1 M de €


Ressalve-se que esta situação catastrófica não é da responsabilidade da atual Administração, já que estes resultados vêm sendo acumulados há vários anos e ainda por cima incluem as Contas da SAD e outras empresas do Grupo a que normalmente se chamam "societárias".
Ou seja: o Capital desapareceu e o Grupo já lhe deve 259,4 M de €. Se somarmos o Passivo 433,6 M de € temos o lindo número de Balanço de 693 M de € próximo daquele que LFV anunciara há uns meses (Passivo de 700 M de €).
Se verificarmos que os Proveitos correntes não serão mais de 40 M de €/ano, está encontrada a razão por que o presidente do Clube anda tão nervoso e até anunciou que vai processar os sócios que se pronunciaram em vários blogues sobre as Contas.

Mas veja-se o que diz a Auditora PWC na ênfase à análise das Contas:
Ênfase:
«9. - Sem afectar a opinião expressa no parágrafo 7 acima, chamamos a atenção para o facto de em 30 de Junho de 2014 as demonstrações financeiras consolidadas do Sporting Clube de Portugal apresentarem fundos patrimoniais negativos de 259.369 milhares de euros e passivo corrente superior ao activo corrente em 162.827 milhares de euros. Conforme divulgado na nota 3 do anexo contendo as notas explicativas, as demonstrações financeiras consolidadas foram preparadas com base na continuidade das operações, a qual se encontra dependente do apoio financeiro dos associados do Sporting Clube de Portugal, da rentabilidade futura das operações e do cumprimento do plano de reestruturação financeira em curso no Grupo Sporting, aprovadas nas Assembleias Gerais do Sporting Clube de Portugal – Futebol Sad, em 30 de Junho de 2013 e 23 de Julho de 2013, respectivamente, e consubstanciado no Acordo Quadro assinado em 14 de Novembro de 2014 com os bancos financiadores.»

Resta dizer que já depois desta data foi anunciado um aumento de capital por parte de uma entidade onde tem assento um conhecido sportinguista - Álvaro Sobrinho - quando no dia 21 de Novembro de 2014, a Sporting SAD comunicou ao mercado um aumento do capital social da Sociedade, em espécie, no montante de vinte milhões de euros, realizado mediante a incorporação de um crédito de igual montante detido pela sociedade anónima com a firma Holdimo-Participações e Investimentos, SA, subscrito pela emissão de vinte milhões de novas acções, com o valor nominal de um euro cada uma, em consequência do qual o capital social da Sociedade passou de quarenta e sete milhões de euros para sessenta e sete milhões de euros.

Face ao exposto, no dia 21 de Novembro de 2014 e pelo facto descrito nesta comunicação, nos termos do art.º 20.º do Código dos Valores Mobiliários, à Holdimo-Participações e Investimentos, SA passou a ser imputável, uma participação qualificada no capital social e direitos de voto da Sporting SAD de 20.000.000 acções, correspondentes a 29,850% do capital social e dos direitos de voto.

Compreende-se assim o anúncio do pavilhão para que a gravidade destas contas passasse despercebida aos associados. Se juntarmos a isto, um desinvestimento no plantel que mais cedo ou mais tarde conduzirá a resultados desportivos desastrosos já para não falar na emissão de vários milhões de VMOC’s que como sabemos são títulos obrigatóriamente convertíveis em acções que, a não serem resgatadadas pela SAD, ficam na posse de quem as tiver adquirido podendo fazer com que o clube perca a maioria na SAD. Uma situação preocupante para os adeptos e simpatizantes leoninos mas verosímel e que não está longe de poder vir a acontecer. Para quem anda constantemente a evocar o passivo do Benfica…




Bookmark and Share