Ponto Vermelho
Luta incessante pelo poder
25 de Julho de 2015
Partilhar no Facebook

A luta sem quartel que se desenvolve nos bastidores e já sem disfarçar em diversos tabuleiros, atingiu sem surpresa diversificados pontos de ruptura. Como não podia deixar de ser aliás, pois a experiência diz-nos que os interesses entre os clubes, apesar de tantos pontos em comum são profundamente divergentes, uma postura enfatizada por alguns que querem deter as rédeas do Mundo… Seria pois ilusório pensar-se que caminhariam todos, grandes e pequenos, na mesma direcção; a do progresso e do desenvolvimento e do que verdadeiramente interessa ao futebol português. Contudo, se quase sempre foi assim porque haveria agora de ser diferente?

Está aprazada para este Sábado a primeira grande batalha no seio da Assembleia Geral da Federação; a ratificação da proposta com a chancela do jovem turco do Clube dos Viscondes seguida por alguns clubes entre os quais o FC Porto cujo interesse não difere substancialmente; o de tentar inverter o rumo da principal bandeira – a da Arbitragem – que já não está domesticada como nos bons velhos do nostálgico passado e a servir os seus interesses como gostariam. Por isso foi proposto a aberração do sorteio dos árbitros em mais uma inovação à portuguesa, a qual não tem paralelo na Europa que certamente estará expectante com tanto arrojo e inovação… Mesmo apesar de já ter provado cá no burgo que não serve os interesses de ninguém a não ser o da confusão.

É claro e indiscutível até para os mais distraídos que se trata de uma estratégia tosca para alcançar o verdadeiro objectivo – o de fazer sair de cena, numa primeira fase, o actual Presidente do Conselho de Arbitragem Vítor Pereira que não agrada ao principal duo promotor da proposta. E ao dizer-se que não agrada significa em bom rigor que a sua actividade não os favorece como gostariam, implicando isso, igualmente, o desfavorecimento do Benfica. Aliás, o actual chefe-nomeador, no caso do FC Porto só de há dois anos a esta parte é que começou a não agradar, ou seja, a partir do momento em que os pintistas viram o Benfica vencer dois campeonatos consecutivos… O Sporting é o que se sabe; é o coitadinho sendo sempre o único prejudicado…

Essa é uma das pontas da estratégia que pretende ir muito mais além. A avaliar pelos papagaios que têm vindo a terreiro e às várias posições, opiniões e pareceres recolhidos até ao momento, muito dificilmente essa estapafúrdia medida passará em AG federativa. No entanto, habituados que estamos a todo o tipo de malabarismos, recomenda a prudência que aguardemos o seu desenlace não vá o diabo tecê-las. Compreendemos o desespero de quem deteve o poder quase absoluto e o foi perdendo por nunca estar satisfeito e querer sempre mais à revelia de tudo e de todos, mas os tempos não se apresentam fáceis depois de tudo o que veio a lume e que condenou definitivamente no tribunal da opinião pública Pinto da Costa como principal expoente dessa estratégia. Pode por isso continuar a safar-se pelos intervalos da chuva mas não escapará ao julgamento e condenação contínua dos benfiquistas e do público em geral. Por mais que se esforce e por mais apoios que angarie.

Por sua vez o aspirante de Alvalade que não hesita em avançar desenfreado no pressuposto que pode correr até ao fim do Mundo sem se cansar, continua a fomentar a guerrilha onde quer que vislumbre uma oportunidade. Começando de forma positiva com propostas interessantes que talvez justificassem uma discussão séria e construtiva alargada, cedo se viu enrodilhado na ambição desmedida de vir a ser o grande timoneiro do século do futebol português, europeu e quiçá mundial... Entrou no plano inclinado da descredibilização, sendo que hoje já é visto e considerado como mais um sub-produto dos muitos que o panorama do dirigismo português infelizmente tem produzido nas últimas décadas. Quando não existe substância o desgaste chega depressa…










Bookmark and Share