Ponto Vermelho
Definições
4 de Fevereiro de 2013
Partilhar no Facebook

Se algumas dúvidas porventura ainda existissem, a última jornada da Liga encarregou-se de as desvanecer por completo. Ainda com o jogo Paços de Ferreira-Estoril por disputar, o empate do SC Braga em Aveiro acabou com todas as veleidades do clube bracarense sobre um possível 2º lugar e a consequente entrada directa na Champions e, pior do que isso, corre o risco de se ver ultrapassado pelos cada vez mais surpreendentes castores que, a partir de agora e face ao claro declínio dos bracarenses (vamos ver se o habitual frenesim de Salvador não lhe dá para fazer sangue), começa a ver a luz ao fundo do túnel do pódio e com isso a possibilidade inédita de poder disputar a Fase de Grupos da Liga dos Campeões. Vamos esperar para ver, dado que naquela zona da classificação os clubes estão muito próximos em termos pontuais e tudo poderá acontecer atendendo a que só há pouco dobrámos a 1ª volta.

No que aos dois fugitivos diz respeito, enquanto cimentaram ainda mais a sua posição, tiveram actuações distintas. O FC Porto passou com distinção em Guimarães ante uma empenhada mas muito jovem e inexperiente equipa minhota sem que isso lhe retire o mérito que teve em transformar uma possível complicação em imensas facilidades o que, deu origem a uma enorme proliferação de encómios até de insuspeitos independentes, que consideraram a sua exibição como a melhor da época, havendo até quem chegasse ao ponto de considerar que depois do Barcelona, o FC Porto era a actual melhor equipa da Europa. Se é exagero ou não, vai certamente ter ocasião de o provar na cada vez mais próxima etapa da Liga dos Campeões, sendo certo que desta vez poderá não dispor das facilidades e das felizes coincidências que teve nas duas anteriores vitórias na prova. Logo, se vier a corresponder às expectativas dos mais entusiastas, isso provará que as previsões actuais dos experts na matéria eram absolutamente fundadas.

Por sua vez o Benfica vindo de grandes exigências do calendário que inevitavelmente teriam que fazer alguma mossa na sua competitividade e na sua capacidade de resposta, chegou moralizado pela ultrapassagem incólume de todos os obstáculos últimos que lhe surgiram pela frente. Com maior ou menor dificuldade teve a arte, o engenho, a determinação e em algumas situações, a fortuna que é sempre necessária para deles sair sem dano. Com mérito indiscutível e provando que tem uma forte palavra a dizer, os encarnados mantêm-se nas 4 frentes e, tal como acontece ao FC Porto, a Liga Europa está já aí e para ficar. Nesta altura admitindo-se naturalmente todas as futurologias possíveis, é tempo de sonhar e de acreditar, na convicção de que qualquer deslize pode conduzir ao fim abrupto do sonho nesta ou naquela prova. Existem argumentos suficientes para acreditar num futuro risonho, muito embora a tarefa seja terrível dada a complexidade dos desafios mas, pelo que temos visto, é de crer que toda a estrutura está fortemente empenhada em querer afirmar alto e em bom som que não teme qualquer dificuldade que se lhe apresente pela frente.

Inevitavelmente teriam que surgir comparações na mente de todos. Afirmam os principais especialistas do futebol caseiro que o FC Porto está muito mais consistente e até atingiu o pico de forma com a exibição de Guimarães. Em contrapartida, o Benfica por via do seu esforço de manutenção activo nas 4 provas que disputa e graças a um calendário nada simpático, já começa a dar mostras de que está prestes a iniciar a sua fase descendente como tem sido habitual nas últimas épocas ainda que por várias razões exógenas que não vêm agora ao caso. E as declarações do treinador encarnado a seguir ao jogo de ontem na Luz com o Vitória de Setúbal de que tinha havido jogadores que tinham demonstrado algum cansaço ainda veio reforçar mais essa tese. Não faltou até quem convidasse o Benfica para uma goleada, sendo que para isso teriam que impor um ritmo altíssimo o que agravaria o desgaste como parece evidente.

Ora, em primeiro lugar, o importante é continuar a vencer para manter a posição e reforçar o aspecto anímico, e só depois vem a luta pelas goleadas que poderão vir a representar nenhuma diferença atendendo a que no primeiro jogo entre os candidatos houve um empate a 2 golos e no segundo a disputar na penúltima jornada, poderá haver um resultado que permita a qualquer um ser campeão. A menos que, ainda que a maioria das previsões não aponte para aí, qualquer dos clubes sem que menos se espere tenha um deslize comprometedor e permita ao outro encetar o trilho directo ao título. Não seria nada de anormal acontecer dada a aleatoriedade do futebol, e das habituais desconcentrações da arbitragem que só ainda em Coimbra fizeram a sua aparição. E, por outro lado, damos crédito à afirmação do Membro do Conselho Superior do FC Porto Rui Moreira, em como admite que o Benfica venha a ser prejudicado um dia destes… É preciso notar que falta uma série de vedetas do apito que não apitaram ainda jogos dos encarnados...










Bookmark and Share