Ponto Vermelho
Grão a grão…
21 de Março de 2016
Partilhar no Facebook

1. Não era segredo para ninguém a começar pela própria equipa do Benfica, que o jogo do Bessa iria ser, em princípio, muito difícil. Aliás, não é por acaso, que o treinador, elementos da estrutura e vários comentadores afectos ao Benfica, têm vindo a repisar semana após semana que o próximo jogo a disputar deve ser sempre encarado como mais uma final, sinónimo que a euforia não entrou (apesar de algumas manifestações isoladas parecerem querer demonstrar o contrário), e a cabeça está concentrada em todos os desafios que a equipa tem pela frente.

2. Essa afigura-se-nos, sem dúvida, ser a atitude mais consentânea com a realidade que os encarnados vivem, pois estando a caminhar-se a passos largos para a fase das definições, qualquer afrouxamento pode provocar um deslize e esse pode vir a não ser mais recuperável. Os ensinamentos do passado recente devem estar sempre presentes na memória colectiva dos benfiquistas para tentar evitar repetir situações que, a acontecerem, teriam o seu quê de traumático depois da acentuada recuperação quando tudo e quase todos do lado de fora já prenunciavam tempestades destruidoras de efeitos irreversíveis.

3. O futebol parecendo ser ilusoriamente uma ciência facilmente desmontável e ao alcance de qualquer cidadão que se interesse pelo fenómeno é, como todos sabemos, revestido de grande complexidade e constitui como é vulgar afirmar, uma manifesta caixinha de surpresas. Porque se com alguma regularidade surpreende as previsões até dos mais habilitados, o que não será para todos aqueles que estão englobados na esmagadora maioria e que tem noções vagas e imprecisas de tão palpitante modalidade. E no entanto, de forma diária, vemos opinadores a manifestar certezas absolutas como detentores exclusivos da (sua) verdade dos factos…

4. O Benfica alcançou ontem à noite, para o campeonato, a 11.ª vitória consecutiva fora de casa o que, para os entusiastas amantes das estatísticas, passa a constituir um novo recorde pois bate todas as anteriores situações registadas. Vale o que vale mas cingiu-se a meros 3 pontos que se juntaram ao pecúlio entretanto amealhado. Foi uma vitória muito mais difícil do que alguns esperavam e alcançada quando muitos benfiquistas já desesperavam, enquanto outros já estavam a preparar os petiscos e abastecido os frigoríficos com bebidas para a comemoração duma magnífica e promissora noite de Domingo...

5. Para qualquer adepto do Benfica que tenha visto o desafio com o Boavista de forma realista mas com olhos críticos, não terá sido difícil constatar que a exibição esteve longe de agradar e terá constituído, porventura, a menos conseguida dos últimos meses qualquer que tenha sido a prova disputada. Importa pois analisá-la em função do olhar de cada um, as razões que a terão motivado, e não se ficar como vimos a alguns opinadores encartados, pela simples constatação do facto em si. É evidente que ninguém, por mais expert que seja, é monopolista da verdade, mas para observar a realidade de ontem é preciso que não olvidemos alguns factores que terão contribuído para a prestação dos encarnados.

6. Desde logo, o mais evidente foi a vaga de lesões e de castigos que afectaram jogadores nucleares e que concorreu para que estivesse afastada meia-equipa do relvado do Bessa com consequências bem evidentes pois obrigou a mexidas em todos os sectores e à quebra de rotinas um dos factores mais determinantes em qualquer equipa. Depois, e isso foi por demais sintomático na ala direita, os jogadores que a preencheram, demonstraram que estão ainda longe da melhor condição física e da confiança que fez deles figuras de proa antes de se lesionarem com gravidade.

7. Outras causas como a participação nas provas europeias, a menor inspiração de alguns jogadores e, não menos importante, a boa réplica oferecida pelo Boavista em todo o tempo demonstrando uma condição física a roçar o excepcional, também contribuíram como é óbvio, para o aumento das dificuldades e da escassez de oportunidades de golo tendo em conta a bitola de quase todos os jogos anteriores. O fundamental é que foi conquistado o objectivo dos 3 pontos para manter a liderança isolada, abrindo-se agora um interregno para as Selecções, pausa que será certamente aproveitada para a reflexão necessária e recuperação de lesionados. Não tendo havido casos de arbitragem, as tertúlias e programas diários serão, por certo, esta semana mais pobres e menos animados…






Bookmark and Share